This content is not available in your region

Transição digital é parte fulcral no Plano Europeu de Recuperação

De  Naomi Lloyd  & Guillaume Desjardins
euronews_icons_loading
Transição digital é parte fulcral no Plano Europeu de Recuperação
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

As tecnologias digitais nunca foram tão importantes nas nossas vidas - desde o trabalho remoto, a consultas médicas em linha, a videochamadas com a família e amigos.

Mas a pandemia também mostrou onde a Europa está a ficar para trás. Quase um quarto das casas não tem banda larga e menos de 20% das pequenas empresas utilizam a Internet para vender os seus produtos ou serviços.

Dinamarca: Um caso de sucesso

Na Dinamarca, não há necessidade de andar com a carta de condução no bolso. Pode simplesmente descarregá-la diretamente para o seu smartphone. Este é apenas um exemplo neste país já ultraconectado. Segundo a ONU, a Dinamarca é o campeão mundial no que diz respeito ao governo electrónico, e agora todos os sectores da economia estão a saltar a bordo da transição digital.

É o caso de uma fábrica que visitámos na Jutlândia. Fundada por um ferreiro em 1895, a empresa passou da construção de carruagens a reboques de camiões ao longo do século XX. Há quatro anos, Peter Jensby lançou uma revisão completa da sua empresa, para se tornar totalmente digital.

Conta o presidente da HMK Bilcon: "Gastámos dois milhões de euros para mudar completamente a empresa. Esta transformação significou um mundo de mudança para este local de trabalho, e agora temos uma empresa que é rentável e que estava a perder muito dinheiro nos velhos tempos. Isto significa que nos estamos a tornar mais produtivos e capazes de ter um preço de mercado nos nossos produtos, pelo que não somos demasiado caros, embora tenhamos salários muito elevados na Escandinávia".

Gastámos dois milhões de euros para mudar completamente a empresa.
Peter Jensby
CEO, HMK Bilcon

Espera-se que mais empresas se tornem digitais nos próximos meses. A Dinamarca solicitou 1,6 mil milhões de euros de subsídios como parte do Plano Europeu de Recuperação e será obrigada a dedicar um quinto deste montante à transição digital.

O financiamento é também de interesse para aqueles que já se encontram no setor digital, mas que esperam expandir-se.

Sahra-Josephine Hjorth criou um software baseado em inteligência artificial para ajudar os professores e gestores de Recursos Humanos a criar programas de aprendizagem on-line. A empresa quadruplicou o pessoal este ano, mas está a ter problemas em encontrar investidores privados para continuar a crescer: "Para crescer, precisamos tanto de mais investimentos, como de pessoal altamente qualificado aqui na Europa. Em termos de investimento, pode ser complicado atrair investidores regulares, mas as características de risco muito elevado estão na vanguarda da inovação. Por isso, tentamos combinar investidores privados com o apoio da UE", conta.

O fundo de recuperação da UE verá 134,5 mil milhões de euros dedicados à digitalização - mas será suficiente para fazer da Europa um líder global, competitivo com os EUA e a China? Katrine Forsberg, membro do conselho de administração do Conselho Dinamarquês de Desevolvimento de Empresas, pensa que sim: "Somos, sem dúvida, um candidato a competir com alguns dos outros gigantes a nível mundial, porque temos as infraestruturas e as competências. Portanto, penso que é uma questão de investimentos em pequenas e médias empresas, na realidade, para criar empregos e para fazer crescer os negócios", diz.

Entrevista: Paolo Gentiloni

Para falar mais sobre como o dinheiro do plano de recuperação e resiliência da UE pode ser utilizado para criar esses empregos e empresas, falámos com o Comissário da UE para a Economia, Paolo Gentiloni.

Naomi Lloyd, Euronews: O objetivo do plano de recuperação e resiliência é o de colocar as economias de novo no bom caminho após a pandemia. Porquê a insistência no digital? Como é que isso ajuda a recuperação?

Paolo Gentiloni, Comissário Europeu para a Economia: Porque penso que o objetivo - e é o que estamos a dizer de ambos os lados do Atlântico - é construir melhor. O digital diz respeito a todos os setores da nossa economia, queremos melhorar através do digital, o funcionamento da administração pública, do sistema de saúde, a competitividade e o trabalho das empresas, etc. A força do investimento no digital pode ter um impacto em toda a nossa economia.

Vimos a plataforma de aprendizagem online dinamarquesa - é este o tipo de empresa para a qual pretende ver os fundos de recuperação?

Sim, porque, claro, também precisamos de uma história de sucesso, não é apenas o mundo dos gigantes, é também o das start-ups, empresas de médio porte que têm o seu papel neste novo mundo digital. Por isso, penso que aumentar a capacidade do nosso negócio no digital será muito importante nos próximos cinco anos.

euronews
Paolo Gentiloni com Naomi Lloyd, da Euronews.euronews

A pandemia pôs certamente em destaque o que as tecnologias digitais nos podem oferecer, mas também aqueles que correm o risco de ser deixados para trás...

Sim, a parte boa é que vimos também quão forte é a rede, e vimos nesta crise terrível como a conectividade é importante. Ao mesmo tempo, vimos, por exemplo, na experiência de aprender em casa, para crianças e jovens, como os problemas de conectividade criam diferenças sociais. E isto é, evidentemente, inaceitável. Por isso, temos de aproveitar a oportunidade de reduzir e cancelar a fratura digital. É agora ou nunca.

Passou um ano desde o início da pandemia. Este dinheiro é necessário agora, há preocupações sobre quanto tempo vai demorar a comissão a aprovar estes planos...

Estou bastante otimista quanto ao facto de o plano passar a ter financiamento antes ainda da pausa de verão.

Nome do jornalista • Ricardo Figueira