This content is not available in your region

61% dos licenciados em ciência, tecnologia, engenharia e matemática nos EAU são mulheres

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
61% dos licenciados em ciência, tecnologia, engenharia e matemática nos EAU são mulheres
Direitos de autor  euronews   -   Credit: Dubai

Os Emirados Árabes Unidos apostam na formação das mulheres nas áreas da ciência, tecnologia, engenharia e matemática.

Os números da UNESCO mostram que nalguns países árabes 57% dos licenciados em ciência, tecnologia, engenharia e matemática nos países árabes são mulheres. Nos Emirados Árabes Unidos, essa percentagem ascende a 61%. Mas será que a sociedade está a tirar partido dos diplomas das mulheres? Quais são as barreiras que elas enfrentam?

"Observamos que as mulheres desistem em diferentes fases da sua carreira científica. A primeira barreira começa na escola. Quando se diz às raparigas que a ciência, a matemática e o computador não são para elas. Isso leva as raparigas a desinteressarem-se das ciências em muitas partes do mundo. Mas não nesta região. É muito interessante porque contradiz um pouco a ideia de que as mulheres não estão interessadas em ciências, tecnologias e computadores porque aqui vemos que elas se interessam por essas áreas. Há outro fator. Muitas vezes os pais podem pensar que estas áreas não são interressantes para as mulheres, para as raparigas. Pode haver um ambiente, os pais, a família, os professores que desencoraja as mulheres na altura de ir para a universidade. Há outras barreiras. Há preconceitos de género. Há discriminação. Em todas as fases da carreira, as mulheres cientistas enfrentam obstáculos", sublinhou Alexandra Palt, diretora de Responsabilidade Corporativa da L'Oréal e presidente da Fundação L'Oréal.

euronews
Halima Alnaqbi, vencedora do Prémio Mulheres na Ciência Jovens Talentos L'Oreal – UNESCOeuronews

Prémios Mulheres na Ciência Jovens Talentos

Este ano, o Dubai acolheu a cerimónia anual do Prémios Mulheres na Ciência Jovens Talentos atribuídos pela L'Oreal e pela UNESCO. Catorze mulheres da região do Médio Oriente e Norte de África foram premiadas.

Duas investigadoras dos Emirados Árabes Unidos foram distinguidas pela investigação inovadora e descobertas fascinantes em fotónica e transplantes de órgãos.

“É um campo que requer muita paciência e perseverança. Portanto, Este tipo de investigação que estamos a fazer é muito especial, requer muitos recursos, muita dedicação. É uma honra estar aqui. Os Emirados fazem parte do grupo de universidades que oferece o ambiente certo para fazer a investigação", considerou Ghada Dushaq, uma das cientistas premiadas.

A cerimónia anual do Prémios Mulheres na Ciência Jovens Talentos L'Oreal-UNESCO teve lugar a 9 de fevereiro na Expo 2020 no Dubai.

euronews
Sarah Al Amiri - Ministra de Estado para a Tecnologia Avançada e Presidente da Agência Espacial dos EAUeuronews

80% da equipa científica da missão dos EAU a Marte são mulheres

Nos Emirados Árabes Unidos, as mulheres estão cada vez mais presentes na área da medicina e constituem pelo menos 35% dos funcionários do setor da saúde.

“Como mulher, nos Emirados, na área da ciência, fui encorajada a tirar uma licenciatura e a enveredar pela carreira de investigação. Fui encorajada pelo pelo governo e pelos diferentes mentores na minha universidade. A minha investigação visa melhorar o transplante de órgãos nos EAU e na região árabe, porque o genoma das populações árabes está subrepresentado na base de dados global do genoma. Por isso os cuidados de saúde na região árabe enfrentam desafios únicos para traduzir a investigação biomédica em prática clínica" contou Halima Alnaqbi, uma das vencedoras do galardão.

Na missão Mars dos Emirados Árabes Unidos, lançada a partir do Dubai, as mulheres representavam 34 % dos efetivos e 80% da equipa científica.

“Tive o privilégio de trabalhar com mulheres notáveis, especialmente na equipa científica da missão dos Emirados a Marte. Elas integraram a missão, não porque impusemos uma quota, mas porque criámos igualdade de oportunidades. Não podemos comprometer o desenvolvimento do projeto, mas é preciso estar aberto a aceitar pessoas de origens diferentes que vivem nos Emirados Árabes Unidos. Um dos aspectos fundamentais foi ter tido o privilégio de ter acesso à educação e à ciência e à matemática em todas as fases da minha vida", contou Sarah Al Amiri, ministra de Estado para a Tecnologia Avançada dos Emirados Árabes Unidos e Presidente da Agência Espacial dos Emirados Árabes Unidos.