This content is not available in your region

Dubai põe 200 mil robôs ao serviço da economia

Access to the comments Comentários
De  Laura Buckwell
Dubai põe 200 mil robôs ao serviço da economia
Direitos de autor  euronews   -   Credit: Dubai

O Dubai está mais concentrado do que nunca na economia futura, à medida que a robótica e a automatização assumem um lugar central.

Khalfan Belhoul, CEO da Fundação Dubai Future, diz: "Entendemos que a mobilidade, a robótica e a Inteligência Artificial combinadas irão mudar a forma como nos mobilizamos. Sabemos que nos cuidados de saúde, a robótica avançada também desempenhará um papel muito importante nos procedimentos e cirurgias. Sabemos também que no setor do consumo e do retalho haverá um grande envolvimento da robótica. Assim, imaginamos o envolvimento que a robótica vai ter na nossa vida quotidiana, seja nas compras, na escola ou no médico".

Imaginamos o envolvimento que a robótica vai ter na nossa vida quotidiana, seja nas compras, na escola ou no médico
Khalfan Belhoul
CEO da Fundação Dubai Future

A ascensão da revolução robótica significa aumento da produtividade e crescimento económico. Por detrás disso, o Dubai lançou um programa de robótica e automação, liderado pela Fundação Dubai Future, para fazer crescer a sua futura economia. Uma iniciativa que pretende fazer avançar a contribuição do setor para 9% do PIB nos próximos dez anos.

O Príncipe Herdeiro do Dubai fez o anúncio que procura posicionar o Emirado como uma das dez melhores cidades do mundo para a robótica e automação. Especialistas notaram que uma maior eficiência significa um impulso significativo para a economia, enquanto relatórios recentes revelam também que a Inteligência Artificial pode contribuir com até 13 biliões de euros para a economia global até ao ano 2030.

Com a robotização vêm custos de produção mais baixos, uma maior variedade em bens e serviços, bem como a criação de novos empregos.

Diz Scott Livermore, economista-chefe e diretor executivo da Oxford Economics Middle East:

"É consistente com o desenvolvimento de um futuro setor industrial, orientado para os serviços, que o Dubai e os Emirados Árabes Unidos se têm esforçado por alcançar. Se houver um conjunto abrangente de políticas destinadas a apoiar o investimento na robotização e automatização e uma continuação de políticas para atrair investimento estrangeiro e talento estrangeiro, então penso que esta política poderá ter um sucesso significativo. Cada vez mais, à medida que os robôs se tornam mais baratos e mais habilidosos, vai-se deslocando para o setor dos serviços. Assim, setores como a logística, viagens e turismo, cuidados de saúde, hotelaria - todos os setores-chave da visão do Dubai estão a colher benefícios de uma maior robotização. O que os robôs ajudam a fazer é reduzir os custos".

Como parte do programa, 200 mil robôs serão fornecidos ao longo dos próximos dez anos nos setores dos serviços, logística e industrial. Este potencial já está a ser refletido através de uma série de terminais totalmente automatizados na cadeia logística da DP World, líder mundial da cadeia de fornecimento.

O Sultão Ahmed Bin Sulayem, presidente e CEO  da DP World, diz:

"Temos hoje alguns terminais que são quase totalmente automatizados. Portanto, este é o futuro, precisamos de avançar mais rapidamente. Precisamos de movimentar mais carga e a tecnologia é a espinha dorsal. No terminal de contentores, abrimos as fechaduras roboticamente, fazemos o desbloqueio robotizado. Tem havido muitos trabalhos manuais perigosos no passado. A intensidade e quantidade de negócios e a eficiência exigem rapidez".

A nova iniciativa centrar-se-á em cinco áreas-chave: produção e fabrico, serviços ao consumidor e turismo, mobilidade e logística conectadas, ambientes extremos e cuidados de saúde. Mesmo no imobiliário deve haver um retorno económico significativo.

Chris Roberts é presidente do grupo Singularious e explica: 

"A parte-chave é obter o bem consciente, o bem consciente é a parte mais importante. É quando o edifício lhe diz como deve ser operado, como deve ser tripulado. E quando se chega à parte de criar uma cidade consciente da cultura, que é o que estamos a ver no momento nos Emirados, é a parte em que toda a cidade lhe diz como deve ser operada. Para o conseguir, precisamos de dados, de automatização, e precisamos de estar num lugar ligeiramente diferente daquele em que estamos neste momento. O anúncio de Sua Alteza permite-nos chegar a esse lugar muito mais rapidamente. Pela forma como se desenvolve uma cidade consciente, é aqui que se tira 20% a 30% do custo. Por conseguinte, o edifício torna-se muito mais eficiente. E assim tudo o que fornece torna-se muito mais eficiente. E, então, não é para um edifício, mas para 3000 torres nos Emirados Árabes Unidos que estamos a criar uma eficiência, é uma espécie de hub".

À medida que a mudança procura adotar e desenvolver as mais recentes tecnologias de robótica, capacitar os talentos locais e gerar novas soluções inovadoras, quer gostemos quer não, a Inteligência Artificial e a automatização estão destinadas a fazer parte da nossa vida diária, e a sua presença não vai senão crescer.