Última hora

Última hora

Seul, uma capital que se afirma pelo design

Em leitura:

Seul, uma capital que se afirma pelo design

Tamanho do texto Aa Aa

Nos últimos 30 anos, a Coreia em plena competição com Hong-Kong, Singapura e Taiwan conheceu um verdadeiro boom económico. A capital, Seul, com os seus 10 milhões de habitantes pagou um bom preço pelo seu desenvolvimento. De cidade “dura” procura transformar-se em cidade “doce” e, para o conseguir, a aposta foi o design.

Seul conheceu um desenvolvimento sem precedentes no momento em que a Coreia do Sul deixou o terceiro-mundo em direcção aos países desenvolvidos. Numa área urbana de perto de 23 milhões de habitantes a cidade procura o seu estilo. Esta busca, de “renascimento” foi contemplada com a atribuição do título de Capital Mundial do Design 2010.

Goon Seon Hong é conselheiro na Câmara Municipal de Seul e resume a nova política da cidade em termos de design: “Graças ao design, queremos transformar Seul numa cidade agradável, uma cidade de cultura, com uma sinalética controlada, uma cidade atraente para os turistas.”

A sinalética é neste caso “simbólica”. Seul não escapa à regra da… anarquia. Tem aproximadamente 1,4 milhões de paineis publicitários, dos quais 70% são ilegais. O Município procura controlar o seu número e tamanho.

Um mosaico de fotos de habitantes de Seul esconde os trabalhos do futuro. Uma enorme obra que deverá estar concluida em 2012. Então descobriremos um edificio de 52 metros de altura, de formas suaves, do qual um terço da área será consagrada à construção de um parque cultural acessivel a todos.

Um outro edifício estruturante está gestação. O DDP ou seja o Dongdaemun Design Plaza, um enorme complexo desenhado pelo arquitecto anglo-iraquiano Zaha Hadid que será inteiramente consagrado ao design.

“O que está a ser construído aqui é o Dongdaemun Design Plaza. É uma plataforma que será ponto de encontro das tendências, um mercado e um local de informação sobre o design. Aqui vamos receber informação e criar as novas tendências do design asiático para depois exportar para todo o mundo” , afirma o Director de Planeamento do DDP Gi-Hyun Jeon.

Pelo terceiro ano consecutivo a cidade de Seul organiza uma feira do design. Está instalada no estádio olímpico construído para os jogos de 1988. Este ano o lema é “Design for all” – design para todos e muito particularmente fazer passar para a população os valores do design na vida do dia-a-dia.

Entre os pavilhões da feira … um que se chama “Cultura Viva na Coreia-China-Japao”, Kyung Ran Choi, directora da Feira de Design de Seul 2010 explica o porquê: “A razão pela qual eu tenho uma exposição especial chamada “Coreia, China e Japão mostra de cultura viva” é para fazer as pessoas entenderem que entre a tradição da Coreia, China e Japão existem traços comuns e outros diferentes, consoante o padrão de vida e o objecto em questão.”

Na cidade, formas suaves, reinterpretações, matérias naturais e nobres mostram a orientação do design asiático. Seul está assim comprometida num renascimento que, espera, se possa traduzir na tão desejada imagem de cidade terna. Uma imagem que deverá co-habitar com as características asiáticas do seu design natural.