Última hora

Última hora

Gotan Project: revisitar o tango

Em leitura:

Gotan Project: revisitar o tango

Tamanho do texto Aa Aa

Os Gotan Project estiveram entre os convidados mais importantes deste festival de Monte Carlo, agora na quinta edição. O trio é composto por um argentino, um suíço e um francês, a quem se juntam outros músicos a voz de uma cantora.

A música deste grupo vai beber muito ao tango e à Argentina, mas há outros temas…

Christoph H. Müller, Gotan Project: “Decidimos usar o tema do futebol, que, juntamente com o tango (e agora estou a simplificar) é o grande tema da Argentina. Contactámos o maior comentador de futebol argentino de sempre, Victor Hugo Morales, e nesta canção ele comenta um jogo imaginário em que cada músico passa a bola de uns para os outros, depois para nós, e nessa altura o nosso amigo argentino tem a honra de realizar um sonho, que é marcar um golo comentado pelo Victor Hugo Morales”.

As dificuldades, estados de espírito e atmosferas da história recente da Argentina estão reflectidas em algumas das canções dos Gotan Project.

Eduardo Makaroff, Gotan Project: “O país onde nasci e cresci passou por uma grande crise, sobretudo nos anos 90, foi como uma bomba atómica social que rasgou completamente a sociedade argentina. A Europa da América Latina passou a ser o país onde as crianças andavam pelas ruas e onde metade da população vivia abaixo do limiar da pobreza – uma catástrofe”.

Mas, apesar da crise, a Argentina, que chegou a ser conhecida na América Latina graças à classe média estabelecida, às universidades de prestígio e grandes escritores, nunca deixou de produzir cultura.

Makaroff: “Penso que é mais fácil destruír a economia do que o poder da cultura”.

Gotan é um jogo de palavras, com a inversão das sílabas da palavra tango. Mas que outras coisas, musicalmente falando, terão os Gotan Project revertido?

Müller: “Tentamos às vezes fazer as coisas ao contrário: fazemos música electrónica mas é música orgânica, vamos buscar estilos de música que não têm necessariamente a ver com o tango, como é o caso do bluegrass, e trazêmo-lo para a nossa música. Estamos sempre à procura de ligações pouco comuns”.

Philippe Cohen Solal, Gotan Project: “A nossa receita é seguir o faro e ignorarmos se passamos na rádio e na TV ou não. O que interessa é aquilo de que gostamos, produzimos a música que amamos e é por isso que não há, nos últimos dez anos, em todos os nossos álbuns, uma única peça ou uma única nota de que nos arrependamos”.