Fechar
Login
Por favor, introduza os seus dados de login

Skip to main content

close share panel

Share this article

Twitter Facebook

Esta semana estamos em Ituri, no nordeste da República Democrático do Congo. Vamos conhecer Noella, uma mulher pronta a correr todos os riscos para ajudar aquelas que sofreram os horrores da guerra e continuam a viver a violência no quotidiano.

“As mulheres contribuem muito para a pacificação. Em casa ela é a mãe. Ela pode influenciar, facilmente, os seus e, quando influenciamos a nossa casa, é possível que possamos também influenciar o exterior. A mulher é uma força que pode mudar o mundo”, afirma Noella que faz parte dos milhares de deslocados que chegaram à cidade de Bunia, em Ituri, quando o conflito na República do Congo endureceu.

Desde então, tornou-se coordenadora da associação SOFEPADI, apoiada pelos Médicos sem Fronteiras .

Conhecida pelo seu trabalho em favor da coabitação entre comunidades, a associação, também gere um centro de saúde.

O dia começa com uma sessão de sensibilização sobre as doenças sexualmente transmitidas. A maioria das participantes foi vítima de violação e, por isso, esconde o rosto.

A SOFEPADI fornece, gratuitamente, cuidados médicos e psicológicos. A guerra está sempre presente como Noella explica:

“Há quem tenha pegado em armas mas foi desmobilizado e vive, agora, com a comunidade. Penso que esses homens podem a fazer parte dos que continuam a agredir as mulheres.”

Todas as semanas, os psicólogos do centro recebem aproximadamente dez vítimas de violação, essencialmente mulheres. Mas também homens e muitas crianças.

Para as mulheres desta associação, a batalha passa também por mudar mentalidades.

“Frequentemente, os maridos não reconhecem que a mulher foi violentada. E dizem às mulheres: “Por é que não te defendeste?” O marido repudia-a. É necessário encontrar os meios que vão permitir-lhe sobreviver”, adianta Noella.

A associação oferece formação a vítimas de violação e mulheres vulneráveis, em várias aldeias da região. Uma delas reconhece a importância destas ações:

“Graças a este trabalho sinto que sou valorizada, antes quando pedia dinheiro ao meu marido, ele não cedia facilmente, não dava quase nada. Hoje tenho forças para enfrentar a vida.”

Além da reintegração social e económica das mulheres, vítimas de violência sexual, Noella luta para recuperar os direitos delas:

“A comunidade começa a compreender que os casos de violação não podem ser resolvidos através de soluções amigáveis. É necessário levar os seus autores à justiça.
No princípio era difícil. As mulheres tinham medo de represálias. Se conseguimos levantar um processo mas o acusado é libertado ele regressa à aldeia e, na maior parte das vezes, vai atrás da vítima.”

Em relação ao número de processos levantados as condenações ainda são pouco numerosas e as famílias preferem, por norma, fazer um acordo financeiro, embora a lei o proíba.

Mas o processo é levantado o que não deixa de ser um risco para os membros da associação que acompanham as vítimas na sua luta judicial. Noella relata um episódio:

“Em 2008 tive problemas. Homens armados entraram em minha casa. Entraram e ameaçaram-me… Eu tinha um computador portátil e eles queriam levá-lo. Eu sabia que tinha nele dados sobre as vítimas. Então tentei resistir. E, ao resistir, eles dispararam para a minha perna e bateram-me na cabeça. Quando conseguiram o portátil foram-se embora.”

Depois da agressão, Noella teve que mudar-se com a família. Nas nunca pensou em renunciar à sua luta:

“Até mesmo quando estou em casa, se alguém quiser atentar contra a minha vida, fá-lo-á. Penso que foi isso que me deu mais coragem. Não posso ser cobarde e desistir depois de todo o trabalho que já fizemos com as mulheres. Todos os progressos que já fizemos. Não podemos parar. Vamos continuar a lutar. Sim.”

Uma luta partilhada por Caddy, jornalista ao serviço da paz, a última história da nossa edição congolesa de Woman and War.

Copyright © 2014 euronews

Mais informação sobre