Última hora

Última hora

Academia Liszt volta a ouvir-se em Budapeste

Em leitura:

Academia Liszt volta a ouvir-se em Budapeste

Tamanho do texto Aa Aa

Reabriu em outubro a Academia Liszt, uma das mais sumptuosas casas de música da Hungria. Após dois anos de trabalhos de restauro no edifício para onde se transferiu em 1907, este famoso conservatório magiar onde se formaram, por exemplo, Béla Bartók ou Georg Solti, e que é também uma magnífica sala de concertos clássicos, regressou ao ativo como um dos novos faróis culturais da Europa.

Honrando o passado, mas olhando com ambição para o futuro, a Academia Liszt procurou reinventar e modernizar a própria imagem, como contou à euronews o responsável de comunicação e marketing da instituição, Imre Szabó Stein: “Não há palavras para descrever o edifício. A abundância de motivos e ornamentos torna-o único e a extensão dos simbolismos nele representados ainda está por decifrar no seu todo. Partindo desses tesouros do passado, tentámos projetar uma imagem moderna.”

A Academia foi fundada em 1875 por Franz Liszt na sua própria casa e batizada, então, como Academia de Música Real Nacional da Hungria. Depois de ter sido recolocada num outro espaço em Budapeste, mudou a denominação para Universidade de Música entre 1919 e 1925. Nesta altura, a instituição já havia sido de novo relocalizada e já ocupava o atual edifício. Por ele passaram, como estudantes, vários dos mais consagrados artistas da Hungria e no “plateau” brilharam alguns dos mais importantes maestros e músicos clássicos do século XX. “Passaram por aqui, por exemplo, grandes estrelas russas como Richter ou Rostropovich. Todos adoraram a sala. Mas não só pela acústica, também pela atmosfera criada”, sublinha András Batta, o presidente da Academia Liszt, descrevendo que, “pelo formato do espaço, artistas e público estão mais próximos”: “A sala é como um género de sino, o músico é o badalo e o público o eco das badaladas.”

A gala da reabertura contou no elenco com alguns dos melhores músicos da atualidade. Do pianista Gergely Bogányi ao casal de violinistas Katalin Kokas e Barnabás Kelemen, que também dão aulas no conservatório da Academia Liszt. “É um templo de música, um santuário. Sempre que aqui entro sinto-me feliz. Esta é a minha ‘alma mater’. Estudei aqui desde os meus 12 anos. Tudo o que sei, aprendi aqui e é isso que eu posso ensinar agora aos meus alunos”, explica-nos Katalin Kokas.

Barnabás Kelemen, por seu lado, recorda-nos o avô para sublinhar a dedicação à música: “Era um dos mais influentes líderes de orquestras ciganas nos anos 30. Apenas o conheci através de filmes a preto e branco e a minha mãe quase nem se recorda dele porque morreu muito novo. Mas porque o sangue é mais forte do que água, eu apanhei (dele) o gosto por tocar este tipo de música cigana.”

Na gala, Barnabás e Katalin interpretaram alguns duetos para violino de Béla Bartók, um compositor que ajudou este casal de violinistas a trocar votos também na vida real. “Juntámo-nos aos 17 anos, graças aos duetos de Bartók, e nessa altura percebemos que éramos feitos um para o outro. Não conhecíamos ainda o que o outro pensava da música, apenas percebemos que a harmonia entre nós era perfeita e que as nossas diferenças nos complementavam”, remata Katalin Kokas, como que lustrando de forma feliz este regresso ao ativo da Academia de música Liszt, em Budapeste.

No vídeo desta reportagem podem ouvir-se excertos das seguintes obras: – Johannes Brahms: Dança Húngara N. 5; – Béla Bartók: 44 Duetos para Violino (BB 104, excertos); – Ernst von Dohnányi, Quinteto para piano em C Menor, op. 1 – Allegro; – Franz Liszt, Reminisciencias de Don Juan.