Última hora

Última hora

Noite mágica em Lisboa

Em leitura:

Noite mágica em Lisboa

Tamanho do texto Aa Aa

Lisboa, onde todas as atenções estavam postas no sábado à noite, testemunhou momentos históricos. Pela primeira vez na história da Champions, duas equipas da mesma cidade encontraram-se na final. O Atlético de Madrid conquistou a simpatia de todos e chegou ao Estádio da Luz para tentar realizar um sonho que perseguia há 40 anos.

Quase conseguiram, mas Sergio Ramos acordou Diego Simeone do sonho.

Clube que mais Ligas dos Campeões venceu até hoje, o Real Madrid triunfou novamente ao fim de 12 anos. Os merengues estavam a perder por 1-0 até ao último minuto do jogo. Conseguiram ir a prolongamento graças a um golo de Ramos e acabaram a vencer por 4-1.

Carlo Ancelotti deu aos gigantes espanhóis um décimo título na liga mais importante da Europa: “Desde o primeiro dia que visitei a sala de troféus no Bernabéu disse ao presidente que estava a faltar uma taça e que íamos tentar trazê-la este ano. E conseguimos. Para conseguir algo assim, é preciso trabalharmos juntos”.

O vencedor-surpresa da liga espanhola desta época, o Atlético de Madrid, esteve muito perto de conseguir a primeira Liga dos Campeões da história. Os adeptos do Atlético já cantavam vitória depois do golo de Diego Godín, mas os golos sucessivos do Real Madrid destruiram o sonho. Ao fim dos 120 minutos, havia uma grande tristeza do lado do Atlético: “Se analisarmos o jogo no todo, o Real Madrid foi melhor. Na segunda parte, eles jogaram melhor e empurraram-nos para o nosso meio campo. É difícil jogar contra uma equipa como o Real Madrid. Disse aos meus jogadores que não há lugar para lágrimas. Quando se joga da maneira como eles jogaram, temos de manter a cabeça levantada e começar já a pensar na próxima época”, disse Diego Simeone.

Os adeptos do Real Madrid explodiram de alegria com a vitória por 4-1 sobre o Atlético, vencedores da liga espanhola esta época. Celebraram a décima Liga dos Campeões nas ruas de Madrid, recebidos à chegada com uma grande festa que juntou jogadores e adeptos na praça das Cibeles.

As competições de clubes na Europa acabaram. Os fãs estão agora ansiosamente à espera do Mundial que começa no dia 12 de junho. O coração do futebol vai bater no Brasil. A maior das competições de futebol dura um mês.

Muitas estrelas talentosas do futebol europeu vão mostrar-se no Brasil este verão, mas infelizmente não vamos poder ver craques como Petr Čech, Zlatan Ibrahimović ou Gareth Bale, porque as seleções destes jogadores não se qualificaram. Se se formasse uma seleção com todos os ausentes, seria certamente uma das favoritas no Brasil.

O defesa do Chelsea John Terry, que anunciou retirar-se da seleção antes do Mundial, não vai jogar no Brasil. Talentos brasileiros como Robinho, Kaká, Ronaldinho ou Filipe Luís ficaram fora da lista dos convocados por Luiz Felipe Scolari para a canarinha.

Se o espanhol Diego Costa, o uruguaio Suárez ou o colombiano Radamel Falcao recuperarem das lesões, vão poder participar. Também Alvaro Arbeloa, de Espanha, Carlos Tévez, da Argentina, ou ainda Samir Nasri e Eric Abidal, de França, não foram chamados às seleções.

Landon Danovan, maior marcador de sempre dos Estados Unidos, ficou fora dos convocados por Jürgen Klinsmann. A estrela do Atlético de Madrid Arda Turan é outro dos nomes em falta para o Mundial, porque a Turquia não se qualificou.