Última hora

Última hora

Nas barbatanas do futuro

Em leitura:

Nas barbatanas do futuro

Tamanho do texto Aa Aa

Nas instalações de cultivo experimental de peixe perto de Brest, em França, fazem parte de um projeto europeu que visa interligar centros de investigação de aquacultura em toda a UE.

Marc Vandeputte, Marc Vandeputte, investigador em genética de peixes, INRA ecoordenador do projeto AQUAEXCEL adianta: “A aquacultura é um setor em crescimento acentuado, tem crescido mais de 8 por cento ao ano, em todo o mundo, nos últimos 20 anos. No ano passado, até superou, em quantidade, a produção de carne bovina”.

A procura mundial de peixe é cada vez maior e os recursos do oceano estão no limite. Existe a necessidade de uma forma mais sustentável de produzir peixe.

“Como qualquer outra produção animal, a piscicultura consome recursos, particularmente óleo e farinha de peixe. Foi altamente criticada por isso e também produz resíduos”, diz Marc Vandeputte.

Os nutricionistas e os geneticistas conseguiram substituir a maior parte da farinha e do óleo de peixe por nutrientes vegetais. As trutas são alimentadas com uma dieta estritamente vegetariana.

Edwige Quillet, investigadora em genética de peixes do INRA também acrescenta: Criámos linhas isogénicas, é desta forma que as apelidamos. Dentro de cada linha, todos os animais são gémeos,.. São idênticos no ponto de vista genético. Esta particularidade permite-nos ser mais eficiência no trabalho de investigação”.

Várias dietas ajudam a compreender como os peixes assimilam os nutrientes e permitem controlar a gordura e a textura do peixe: “Pretendemos cultivar peixes bons com um menor consumo de recursos. Peixes que consigam prosperar em sistemas de piscicultura que poluam o mínimo possível”, conclui.

Na Universidade de Wageningen, na Holanda, os investigadores utilizam o peixe isogénico francês para um estudo em profundidade sobre o seu metabolismo.

Johan Schrama, especialista em nutrição de peixes na Universidade de Wageningen explica:
“Esta investigação é não só sobre a forma de alimentar os peixes, mas também de os alimentar num sistema amigo do ambiente, não só para as zonas envolventes como também para o próprio peixe. A intenção não é maximizar o crescimento, mas compreender como os peixes conseguem lidar com diferentes tipos de nutrientes.”

Os investigadores medem as alterações químicas da água dos peixes ao longo do dia. Depois a água passa por filtros de bactérias que removem os resíduos e adicionam oxigénio novamente.

Ep Eding, investigador em Aquacultura na Universidade de Wageningen diz que:“Podemos usar essa informação para projetar o sistema de tratamento de águas, porque sabemos quais os nutrientes que não são utilizados pelos peixes e a quantidade que deve ser removida, para que a água possa ser reutilizada vezes sem conta. Este tipo de tratamento de águas permite reduzir o consumo de água de 100 para 1000 vezes, comparativamente com os sistemas de escoamento.”

Com esta pesquisa, os cientistas esperam que os peixes do futuro sejam mais saborosos, mais acessíveis e mais amigos do ambiente.

www.aquaexcel.eu