Última hora

Última hora

Cabo Verde na crista da onda

Em leitura:

Cabo Verde na crista da onda

Tamanho do texto Aa Aa

Cabo Verde foi o destino desta edição de Target. O paradisíaco arquipélago que se situa a cerca de 500 quilómetros da costa africana é composto por dez ilhas. As praias falam por si, mas também há outros cenários exuberantes, entre os quais sobressaem as paisagens vulcânicas.

É exatamente por isso que este país enfrenta o desafio de desenvolver o potencial económico que existe. O turismo já representa uma fatia importante do PIB cabo-verdiano. Mas a verdade é que, neste canto do mundo que tem como língua oficial o português, ainda há muito por explorar. Para além das praias de sonho, os responsáveis locais apostam na diversificação de argumentos para atrair investimentos e promover o desenvolvimento no futuro.

O presidente da Cabo Verde Investimentos, José Armando Duarte, salienta que “Cabo Verde já se afirmou como um destino turístico privilegiado. É claro que o turismo é uma das oportunidades que oferecemos, mas existem outras também. Queremos transformar este país numa grande plataforma de serviços nesta parte do Atlântico.”

Um dos maiores projetos de hotelaria do país acabou de abrir portas na ilha do Sal. Os custos ultrapassaram os cem milhões de euros. O resort tem capacidade para acolher mais de 3 mil turistas, gerando quase mil postos de trabalho. Os investidores estrangeiros têm destacado os crescentes impulsos por parte do governo, que implementou medidas como um balcão único para aliviar os processos burocráticos e reduzir as despesas.

O Estado também assume parte dos encargos, construindo infraestruturas de base nas zonas de desenvolvimento turístico, sobretudo nas ilhas da Boa Vista e Maio. Os outros setores considerados estratégicos são as tecnologias de informação, as energias renováveis e a pesca.

Para quem avança para um investimento em Cabo Verde, normalmente há dois pretextos que costumam ser evocados: o clima e a simpatia da população. Mas há outros que também se tornaram essenciais. Jacques Monnier, do grupo Hilton, realça que “a estabilidade política é muito importante. Não vamos investir dinheiro num país onde não temos certeza de que as coisas vão continuar seguras durante os próximos anos. Cabo Verde é um país pequeno, toda a gente se conhece, e nunca há qualquer tipo de problema.”

As estimativas dizem que, nos próximos três anos, o número de turistas, que tem à disposição quatro aeroportos internacionais, vai duplicar para cerca de um milhão por ano.