Última hora

Última hora

Nobel da Paz: "Um prémio para todas as crianças sem rosto"

Em leitura:

Nobel da Paz: "Um prémio para todas as crianças sem rosto"

Tamanho do texto Aa Aa

Um apelo ao mundo inteiro para que não haja mais crianças sem educação, obrigadas a trabalhar, a lutar numa guerra ou a casar, foi a mensagem deixada, em Oslo, pelos dois galardoados com o Prémio Nobel da Paz 2014 – Kailash Satyarthi e Malala Yousafzai – durante a cerimónia de entrega dos galardões. Ambos são ativistas pelos direitos das crianças.

O engenheiro indiano luta há mais de 30 anos contra o trabalho infantil. “Não há maior violência do que negar os sonhos aos nossos filhos”, afirmou Kailash Satyarthi, que continuou: “É por isso que recuso que os templos, as mesquitas, as igrejas e outros locais de culto não tenham espaço para os sonhos das crianças. Recuso aceitar a pobreza do mundo quando apenas uma semana de despesas militares chegaria para trazer todas as crianças para as salas de aula.”

A paquistanesa Malala, que, com os seus 17 anos, é a mais jovem prémio Nobel da Paz de sempre, ficou conhecida ao ser baleada na cabeça por terroristas talibãs e tornou-se no rosto da luta pelo direito das raparigas à escolaridade.

“Este prémio não é só para mim”, explicou Malala. A jovem laureada continuou: “É para todas as crianças sem rosto que querem educação; para todas as crianças com medo que querem paz; para todas as crianças sem voz que querem mudança. Estou aqui para lutar pelos seus direitos, para fazer ouvir a sua voz. Não devemos ter penas delas. Devemos agir.”

O Prémio Nobel da Paz é o reconhecimento do caminho já percorrido mas também um cheque – de oito milhões de coroas norueguesas, cerca de 860 mil euros – para permitir aos laureados continuarem a batalha.