This content is not available in your region

Mulher suícida faz-se explodir e mata polícia em Istambul

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques  com LUSA
Mulher suícida faz-se explodir e mata polícia em Istambul

<p>Um polícia morto e um outro ferido é, para já, o balanço de um atentado suicida na esquadra da polícia do bairro de Sultanhamet, em Istambul, Turquia.</p> <p>De acordo com o governador da maior cidade turca, onde se registou este caso, uma mulher entrou na esquadra pelas 17h – 15h em Lisboa – e, expressando-se em inglês, terá começado por dizer ter perdido a carteira. De seguida, a mulher espoletou o cinto de explosivos que transportava, ferindo, num primeiro, momento os dois agentes da polícia atingidos pela deflagração.</p> <p><blockquote class="twitter-tweet" lang="pt"><p>The view from the location of the grenade attack in İstanbul <a href="https://twitter.com/hashtag/Turkey?src=hash">#Turkey</a> “<a href="https://twitter.com/Cihan_News"><code>Cihan_News</a>: <a href="http://t.co/8TihK9TKI7">http://t.co/8TihK9TKI7</a> <a href="http://t.co/A3FI7JefHx">pic.twitter.com/A3FI7JefHx</a>”</p>&mdash; Ragıp Soylu (</code>ragipsoylu) <a href="https://twitter.com/ragipsoylu/status/552491713563205633">6 janeiro 2015</a></blockquote><br /> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>A agência de notícias Anatolia já adiantou que um deles não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital.</p> <p>Membros das forças de segurança e de equipas de socorro foram de imediato enviados para o bairro, que representa uma das principais atrações turísticas de Istambul e onde se situam a basílica de Santa Sofia e a Mesquita Azul, destinos muito procurados de peregrinação.</p> <p>Para já, pouco se sabe sobre esta mulher (<a href="http://www.hurriyet.com.tr/gundem/27906483.asp" rel="external">um jornal turco já publicou uma alegada foto da suicida</a>) e o que a levou a cometer este atentado suicida. As autoridades estão a investigar, sendo que este é o segundo ataque, em menos de uma semana, contra agentes da polícia turca. Logo na viragem do ano, a 1 de janeiro, um homem armado lançou duas granadas contra um grupo agentes perto do palácio imperial de Dolmabahçe, também em Istambul. </p> <p><blockquote class="twitter-tweet" lang="pt"><p><a href="https://twitter.com/hashtag/Turkey?src=hash">#Turkey</a> newspaper publishes photo of <a href="https://twitter.com/hashtag/Istanbul?src=hash">#Istanbul</a> suicide bomber & video of her moments b4 attack <a href="http://t.co/XsUdTLGZuV">http://t.co/XsUdTLGZuV</a> <a href="http://t.co/LyydAIHAei">pic.twitter.com/LyydAIHAei</a></p>— Lucy Kafanov (@LucyKafanov) <a href="https://twitter.com/LucyKafanov/status/552519210568794114">6 janeiro 2015</a></blockquote><br /> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>As granadas não chegaram a explodir e o atacante foi de imediato detido, com a ação a ser reivindicada pelo Partido/ Frente Revolucionária de Libertação do Povo (<span class="caps">DHKP</span>-C), um grupo turco de extrema-esquerda já relacionado com o atentado suicida de fevereiro de 2013 contra a embaixada dos Estados Unidos na capital turca, Ancara.</p>