This content is not available in your region

Pablo Iglesias em Atenas: "O vento da mudança democrática está a soprar na Europa"

Access to the comments Comentários
De  Dulce Dias
Pablo Iglesias em Atenas: "O vento da mudança democrática está a soprar na Europa"

<p>No último grande comício antes das eleições de domingo, Alexis Tsipras recebeu o apoio do seu “homólogo” espanhol, Pablo Iglesias.</p> <p>O líder do movimento da esquerda espanhola “Podemos” esteve em Atenas, para manifestar a sua solidariedade com o movimento Syriza, a coligação grega, também de esquerda, dada como vencedora no escrutínio deste fim de semana.</p> <p>Iglesias até deu um ar da sua graça, ao dizer, em grego: “O vento da mudança democrática está a soprar na Europa” antes de acrescentar, em espanhol, “Hasta la victoria, Syriza Podemos, venceremos!”</p> <p>Perante milhares de pessoas, reunidas na praça Omonia, Tsipras queima os últimos cartuchos, de uma campanha centrada na rejeição da austeridade imposta pela “troika” em troca do resgate do país.</p> <p>“Na segunda-feira, poremos fim à humilhação nacional que é receber emails sobre a governação e instruções vindas de fora”, promete o líder do Syriza.</p> <p>As últimas sondagens atribuem-lhe 36% das intenções de voto e aumentam para 5% a diferença face à Nova Democracia (de direita), do primeiro-ministro Antonis Samaras.</p> <p>Números que dão uma nova esperança aos apoiantes do Syriza.</p> <p>“Penso que, com o Syriza, vamos recuperar a nossa dignidade. Estamos fartos de ser os maus alunos da Europa. Queremos ter novamente um país decente”, explica um apoiante. Outro, mais jovem acrescenta: “A vitória de Syriza permitirá inverter o caminho da crise humanitária na Grécia e das taxas de desemprego e retomar o crescimento económico.”</p> <p>A correspondente de euronews em Atenas, Nikoletta Kritikou, explica: “No seu discurso, Alexis Tsipras envia uma mensagem clara de que o partido está perto do limiar da maioria absoluta. Mas, ao mesmo tempo, falou aos eleitores indecisos, sublinhando a importância de obter essa maioria absoluta, para poder formar um governo forte logo após as eleições “.</p>