Última hora

Última hora

Azerbaijan Life: Baku festeja o Novruz

Em leitura:

Azerbaijan Life: Baku festeja o Novruz

Tamanho do texto Aa Aa

A primeira edição de Azerbaijan Life, na Euronews traz-nos os sabores, as cores e os símbolos do Novruz, a festa do Ano Novo, que marca o início da primavera em Baku.

O Novruz é festejado em todo o mundo por cerca de 300 milhões de pessoas todos os anos. Marca o fim do inverno e o princípio da primavera. É o Ano Novo da Ásia Central, mas também de outras regiões. As suas origens perdem-se no tempo.

O Novruz é celebrado no dia do equinócio da primavera, do Mar Cáspio aos Balcãs, através da Ásia Central e Ásia do Sul. Em 2009, foi integrado na lista da herança cultural das Naçôes Unidas. As tradições variam de país para país e de região para região. No Azerbaijão, todos celebram o Novruz. As preparações começam um mês antes da festa.

Segundo Seyfaddin Rzasoy, um estudioso das tradições folclóricas da região, “De acordo com crenças antigas, o mundo foi criado de quatro elementos: terra, fogo, água e ar. Cada terça-feira, um destes elementos desperta. Na terça-feira anterior a Novruz, o ar acorda, dando vida a toda a natureza.”

Na festa do Novruz, tem tudo a ver com comida.
A culinária azeri é muito variada, graças ao clima muito favorável às culturas, mas também porque é o resultado de uma herança rica em contributos de todos os povos da região do Cáucaso e da Ásia Central.

Fomos ao mercado de Taza com um dos mais conhecidos chefes de cozinha de Baku, Elmin Sharifov. As bancas aqui vergam sob o peso de variados legumes, frutos, ervas aromáticas, carne e peixe. Provámos ameixas amargas com as quais Elmin prepara um dos pratos típicos.

Rolinhos feitos com a pasta destas ameixas secas, a que aqui chamam alchas, são usados para acompanhar o levengi de peixe.

Conhecido pelo caviar negro, que é desde há muito tempo um importante produto de exportação, o mar Cáspio oferece à cozinha azeri outros peixes para além do esturjão.

Elmin procura agora o ingrediente final para preparar um inesquecível jantar de Novruz, o kutum, um peixe da família da carpa. Com o kutum vai cozinhar o levenghi, um prato tradicional que vem da região de Lenkaran, feito com nozes, cebola e ameixa.

O segundo prato na mesa é o pilaf. É uma receita de arroz com uma tradição secular na Ásia Central e no Cáucaso. Existem centenas de variedades desta receita. Elmin preparou o tradicional Turshu Govurma, com cordeiro, ameixa, castanhas, uvas e damascos.

O Novruz é a festa mais popular no Azerbaijão e é acima de tudo uma festa familiar. Arzu Melikova convidou-nos para conhecer uma verdadeira celebração em família. diz que esta é .

“É a nossa festa principal. Evoca memórias de infância. É uma festa para crianças, a família reune-se toda em casa. É dia feriado, que celebramos todos os anos”, diz Arzu.

A família de Arzu reune-se à mesa, parapartilhar estes pratos de tradição secular, transmitidos de geração em geração. Khumar Melikova, a mãe de Arzu, explica que toda a preparação é um tempo de encontro com os presentes e os antepassados.

Toda a família participa na preparação e tudo na mesa do Novruz tem um significado. Há sempre sete pratos, todos com nomes que começam com a letra “S”, evocando a perfeição do número sete. Um anel na boca do peixe simboliza a prosperidade. Os rebentos de trigo, simbolizam a fertilidade e a abundância.

“O Samani não pode faltar na mesa, é o símbolo mais importante do Novruz. Acendemos as velas, reúne-se a família inteira à mesa, o número de velas corresponde ao número de membros da família” explica Naila Melikova.

Depois deste sumptuoso jantar, cheio de símbolos de saúde, lonjevidade e felicidade, vem o momento de festejar na rua, em volta da fogueira.

O Novruz está intimamente ligado ao fogo, símbolo de purificação. O próprio Azerbaijão é um país de fogos espontâneos, devido aos jazigos de petróleo e gás natural. Saltar o fogo simboliza o renascimento no ano novo.

Depois de Baku, seguimos para as montanhas do Cáucaso, para a próxima edição de Azerbaijan Life, que será consagrada à comunidade alemã do Azerbaijão.