Última hora

Última hora

Aplausos no adeus a Oliveira

O mais aclamado realizador português de sempre foi sepultado entre aplausos, na cidade que sempre amou.

Em leitura:

Aplausos no adeus a Oliveira

Tamanho do texto Aa Aa

Foi com um grande aplauso que o mundo do cinema, a família, os amigos, Portugal, a cidade do Porto, personalidades políticas e outras se despediram de Manoel de Oliveira.

Point of view

As pessoas que conheceram Oliveira assumiram que ele seria o primeiro homem a não morrer. (John Malkovich - DN)

Aquele que era o mais aclamado realizador português de todos os tempos e também o mais velho cineasta do mundo ainda em atividade morreu aos 106 anos, mas deixa uma obra imortal, do primeiro filme “Douro, faina fluvial”, ao recentemente estreado “Velho do Restelo”.

John Malkovich, que entrou em três filmes do mestre português, esteve presente, tal como Wim Wenders e muitas outras personalidades do cinema. Em entrevista ao Diário de Notícias, o ator norte-americano disse que “as pessoas que conheceram Oliveira assumiram que ele seria o primeiro homem a não morrer”. Estiveram também o presidente português Cavaco Silva e o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho.

Como sempre quis, Manoel de Oliveira filmou até aos últimos dias. Foi sepultado no cemitério de Agramonte, no Porto, mas há quem fale em transladá-lo para o Panteão Nacional.

o Porto é... a despedida

Posted by O Porto é. Oporto is. on Sexta-feira, 3 de Abril de 2015