Última hora

Última hora

Galípoli 100: as marcas da guerra no solo e na memória coletiva

Em Galípoli, 100 anos depois da ofensiva dos aliados, os sinais da guerra ainda estão presentes na península turca. Gökhan Tarkan Karaman encontra

Em leitura:

Galípoli 100: as marcas da guerra no solo e na memória coletiva

Tamanho do texto Aa Aa

Em Galípoli, 100 anos depois da ofensiva dos aliados, os sinais da guerra ainda estão presentes na península turca.

Gökhan Tarkan Karaman encontra, habitualmente, muitas balas no caminho que faz e refaz desde a juventude.


Conhece bem a região, que ficou marcada por um dos episódios mais dolorosos da I Guerra Mundial. Atualmente, está a produzir uma série de documentários sobre a batalha de Dardanelos.

Bora Bayraktar, euronews – O que costuma ver quando serpenteia a península?

*Gokhan Tarkan Karaman: – Poucas pessoas têm acesso a esta área. É um território muito vasto, onde chegaram, pelo menos, meio milhão de combatentes para a batalha. Lançaram-se muitos projéteis em todas as direções, é preciso andar com cuidado. Ainda existem muitas balas e bombas por deflagrar, tem de se prestar muita atenção para não se pisar um projétil, estilhaços de bombas ou foguetes. A seguir aos dias de chuva aparece sempre mais material de guerra.*

As divisões ANZAC (Australian and New Zealand Army Corps) especialmente danificadas, acusaram as tropas britânicas de arrogância, crueldade e inaptidão, bem como os principais responsáveis pelo fracasso das operações.

Gökhan Tarkan Karaman – Ainda há muitas lacunas, ainda há muito por saber. Falamos de uma guerra que durou mais de oito meses, aconteceu há cem anos. Sabemos que ainda existem muitas coisas para descobrir e que durante um século foram feitas muitas reconstruções erradas que só agora estão a ser corrigidos.

Os restos de um navio Arzac também comovem os turcos, que consideram a batalha como um momento definitivo na história da nação — a defesa final da terra-mãe depois de séculos de desintegração do Império Otomano. A luta estabeleceu as bases para a Guerra de Independência Turca e a fundação da República Turca oito anos mais tarde, sob Atatürk, ele próprio um comandante em Galípoli.

No dia 25 de abril de 1915 as tropas aliadas desembarcaram em Gallipoli. Depois de 100 anos, os sinais da batalha ainda ainda são visíveis. O único consolo, em relação a esta guerra, para centenas de milhares de vítimas, é que o ódio deu lugar a uma profunda amizade – Bora Bayraktar, euronews.