Última hora

Última hora

António Zambujo, do Alentejo para o mundo

Em leitura:

António Zambujo, do Alentejo para o mundo

Tamanho do texto Aa Aa

António Zambujo faz parte de uma nova geração de músicos portugueses. Na origem está o fado mas a sua música mistura influências de todo o mundo

António Zambujo faz parte de uma nova geração de músicos portugueses. Na origem está o fado mas a sua música mistura influências de todo o mundo incluindo bossanova, jazz e folk.

Point of view

"O fado e o cante alentejano são as duas músicas que formam a raíz" - António Zambujo

E, claro, a sua região de origem, o Alentejo, também é uma grande influência. Recentemente, o cantor atuou em Lyon em França, no âmbito do festival de música “Nuits de Fourvière”.

“Foi ouvindo os velhotes a cantar numa tasca frente à casa da minha avó que fiquei com vontade de cantar, de cantar com eles e aprender aquelas músicas que eles cantavam.
A partir daí, fui aprendendo umas quantas e fui cantando”, afirma o artista referindo-se às suas origens musicais.

“O pica do 7”, é uma canção que fala de uma rapariga que se apaixona por um revisor do elétrico. Faz parte do sexto e mais recente álbum, “Rua da Emenda”.

No concerto recente em Lyon, António Zambujo teve a honra de inaugurar o ciclo “Musiques des Confluences” dedicado à música do mundo. O evento decorreu no recentemente inaugurado Musée des Confluences.

Zambujo lançou o primeiro disco em 2002 depois de participar no musical “Amália”, sobre a vida da fadista Amália Rodrigues. Ele foi conquistando público, não só em casa, mas também no estrangeiro, principalmente após o terceiro álbum, “Outro Sentido”, publicado em 2007. Ele tocou um pouco por todo o mundo incluindo um concerto no Carnegie Hall em Nova Iorque, o ano passado.

Apesar das digressões contínuas, no passado dia 10 de junho Zambujo foi agraciado com a medalha da Ordem do Infante Dom Henrique que recebeu das mãos do presidente Cavaco Silva.

“Às vezes fazia-me confusão entrar nas lojas de discos em Portugal e outros sítios e ver os meus discos nas estantes de fado. Mas depois comecei a pensar que o fado é uma das minhas influências mais importantes, a par da música tradicional da minha região.
O fado e o cante alentejano são as duas músicas que formam a raíz, a base onde se alicerçam todas as outras influências, tudo aquilo que fui ouvindo. Começando pelo Chet Baker, o João Gilberto, entrando num mundo mais caótico temos o Tom Waits, a Nina Simone, alguns cantores lusófonos como a Cesária Évora, a Amália Rodrigues, o Caetano Veloso, muitos intérpretes brasileiros. Fazendo essas escolhas e recebendo essas influências, a minha forma de cantar e de compor música foi-se transformando um bocadinho”, adianta o artista.

Depois de Lyon, Toulouse e Rio de Janeiro, António Zambujo atuará em outras salas europeias culminando num concerto no Casino de Paris a 6 de novembro.