Última hora

Última hora

EUA: presa por não casar gays

Uma funcionária judicial do estado norte-americano do Kentucky recusa-se a casar homossexuais, desafiando a uma ordem do Supremo Tribunal

Em leitura:

EUA: presa por não casar gays

Tamanho do texto Aa Aa

Uma funcionária judicial do estado norte-americano do Kentucky recusa-se a casar homossexuais, desafiando a uma ordem do Supremo Tribunal norte-americano.

A obstinação de Kim Davis polarisou as opiniões e diante do tribunal de Ashland, onde foi ouvida, manifestaram dezenas de apoiantes e oponentes da funcionária.

Kim Davies alegou objeção de consciência, depois da legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo pelo Supremo Tribunal dos Estados Unidos, em junho, e desde então recusou-se a registar casamentos de pessoas do mesmo sexo.

Davis, que diz pertencer a uma igreja protestante evangélique, recorreu ao Supremo Tribunal, argumentando que age em concordância com a sua fé.

A resposta do Supremo foi que um funcionário do Estado não pode “declinar agir em conformidade com a Constituição dos Estados Unidos”.

Ouvida no tribunal de Rowan County, Davis manteve a sua recusa. Diante das câmaras de televisão, disse agir “sob a autoridade de Deus”.

De acordo com o The New York Times, este não é um caso isolado no país. Há vários funcionários que se recusam a casar homossexuais depois de o Supremo Tribunal ter legalizado estas uniões.