Última hora

Última hora

Poroshenko faz marcha-atrás e retira jornalistas da lista de pessoas sancionadas

O conselho ucraniano de segurança nacional retirou, para já, o nome de seis jornalistas da lista

Em leitura:

Poroshenko faz marcha-atrás e retira jornalistas da lista de pessoas sancionadas

Tamanho do texto Aa Aa

Petro Poroshenko faz marcha atrás, após a nova lista de sanções adotada, esta quarta-feira, contra a Rússia e que visam, segundo o presidente ucraniano, pessoas implicadas na anexação da Crimeia e no conflito no Leste.

Point of view

Vou dar imediatamente ordens para que a situação seja revista. Eu, enquanto presidente da Ucrânia, bato-me pela liberdade de imprensa - Petro Poroshenko

Entre as pessoas visadas pelas sanções, vários jornalistas internacionais, incluindo alguns da BBC.

Esta manhã, perante Judith Gough, embaixadora britânica em Kiev, e após uma chuva de críticas a nível internacional, Petro Poroshenko admite mudar de rumo.

“Vou dar imediatamente ordens para que a situação seja revista. Eu, enquanto presidente da Ucrânia, bato-me pela liberdade de imprensa”, garantiu Poroshenko.

Dito e feito: o conselho ucraniano de segurança nacional retirou, para já, o nome de seis jornalistas da lista: os três da BBC, um alemão e dois espanhóis.

Ao abrigo das novas sanções, os 41 jornalistas faziam parte de uma lista de 388 pessoas interditadas de território ucraniano, entre as quais, observadores internacionais que monitoraram as eleições separatistas nas regiões do Leste e da Crimeia.

Mais de uma centena de empresas são igualmente visadas pelas represálias. Entre elas, inúmeras companhias aéreas, muitas das quais efetuam ligações entre a Crimeia e as regiões do Leste e Kiev.

O analista político Volodymyr Fesenko percebe que, na ótica de Kiev, essas transportadoras aéreas sejam interditadas, mas pô-las numa lista não basta: “As autoridades deviam agora explicar às pessoas que compraram os bilhetes o que fazer e a partir de quando é que os voos vão ser cancelados e quem é que as vai reembolsar.”

O governo de Kiev visa, assim, sancionar as eleições autonómicas de novembro último, no leste do país, em violação do Acordo de Minsk e não reconhecidas internacionalmente.

Maria Korenyuk, correspondente da euronews em Kiev, acrescenta: “As sanções agora impostas pela Ucrânia têm uma duração de um ano. Além disso, Petro Poroshenko apelou aos seus homólogos europeus para que prologuem as sanções instauradas contra a Rússia após as eleições não reconhecidas da região de Donbas.”

A lista completa das pessoas e empresas agora sancionadas por Kiev pode ser consultada aqui (página escrita em cirílico).