Última hora

Última hora

Testemunha 1979: fotos do Irão em Londres

Em leitura:

Testemunha 1979: fotos do Irão em Londres

Tamanho do texto Aa Aa

“Witness 1979”, em português “Testemunha 1979”, é o título de uma exposição de fotografia, que está patente em Londres, e que fala das mulheres que

“Witness 1979”, em português “Testemunha 1979”, é o título de uma exposição de fotografia, que está patente em Londres, e que fala das mulheres que participaram num protesto, no Irão há 36 anos. Hengameh Golestan captou o momento em que mais de 100 mil mulheres se manifestavam contra a aplicação da lei que as obriga a usar o véu em público:

“Quando estes protestos estavam a acontecer ninguém estava, realmente, a prestar-lhes atenção. Mesmo os jornais da época não publicaram notícias ou reportagens Por isso, pensei que agora era um bom momento para mostrar essas fotografias, torná-las públicas. Quando olho para elas sinto que mostram uma imagem totalmente diferente das mulheres iranianas. Tornam-se em algo histórico”, refere a fotógrafa.

O objetivo da exposição, patente na Showroom Gallery de Londres até 27 de setembro, não é apenas promover o trabalho desta iraniana, é também dar a conhecer história do Irão, de uma forma multidisciplinar como adianta Azadeh Fatehrad, co-curadora da mostra:

“Decidimos transformar o projeto num programa público, uma exposição com um workshop, grupos de leitura e um simpósio para desfolhar este momento que foi importante na história do feminismo no Irão”,

Hengameh Golestan, nasceu em Teerão em 1952. Entre 1974 e 1984 documentou, em particular, a vida das mulheres e crianças no Irão. Nos últimos vinte anos viveu em Londres. A arte da fotografia começou a aprendê-la enquanto assistente do seu marido, o fotojornalista Kaveh Golsetan, que morreu aos 53, quando pisou uma mina terrestre enquanto trabalhava para a BBC, em Kifri, Iraque.

As fotos de Hemgameh Golestan chamaram a atenção de muitos grupos, os dedicados à arte da fotografia e à história contemporânea do Irão mas também grupos de defesa dos direitos das mulheres. Levar uma mostra como esta ao Irão é impossível”, explica o repórter da euronews, Ali Kheradpir.