Última hora

Última hora

Drones: No melhor e no pior

As armas do século 21 mais debatidas, os drones, têm sido importantes na luta contra um adversário, sem riscos para pilotos. Mas há outros riscos? Os

Em leitura:

Drones: No melhor e no pior

Tamanho do texto Aa Aa

As armas do século 21 mais debatidas, os drones, têm sido importantes na luta contra um adversário, sem riscos para pilotos. Mas há outros riscos? Os drones têm sido bem-sucedidos, em eliminar figuras-chave de grupos extremistas, que mataram civis em ataques terroristas na Europa e nos Estados Unidos. Mas também podem matar ou ferir inocentes. São criticados, devido às execuções sumárias, que vão contra a lei internacional. Os drones também são criticados, em relação aos meios mais convencionais, já que há países que utilizam aviões e militares no terreno com grande eficácia.

“The Network” tem como convidados, esta semana, Alain De Neve, investigador do Instituto Superior Real de Defesa, Andrew Stroehlein, porta-voz europeu da Human Rights Watch e Roland Freudenstein, do Martens Centre para os Estudos Europeus.

Sobre a utilização de drones em terrenos de guerra, onde muitas vezes são atingidos civis, Alain De Neve é cauteloso:_ “Não sabemos o quão eficazes são, ou quais são os resultados, na estratégia global dos Estados Unidos e de outros países, que estão a usar drones”. Para além disso, acrescenta que esta “não é uma arma perfeita Pode haver erros na marcação de alvos. Não é fácil distinguir entre civis e militares, no terreno. Há sempre o risco de confusão…”_

Andrew Stroehlein é cético em relação ao uso dos drones mas, principalmente, à mudança das leis para integrar nelas a sua utilização, de uma forma mais permissiva: “O Direito Internacional tem-nos servido bem em muitos casos, e criou regras claras que todos entendem. Estamos a olhar para isto de uma perspetiva muito ocidental. E se a Rússia voar, com um avião não tripulado, sobre a cidade de Varsóvia, ou Londres? Digamos que um drone russo voa sobre Londres e mata alguém que eles dizem é um inimigo. O Ocidente teria legitimidade para ficar, absolutamente, indignado, e isso é o que está a acontecer em muitos casos.”

Roland Freudenstein defende a utilização dos drones e de capacitar os efetivos no terreno com os melhores equipamentos: “Estamos a enviar homens e mulheres para lugares distantes para lutar por nós. Essas pessoas correm o risco de ficar sem pernas, traumatizadas para toda a vida, ou de morrer. Temos a obrigação de lhes dar o melhor equipamento que o dinheiro possa comprar. Essa é a tarefa imediata e é por isso que não acho que vamos, ou que devamos, parar de usar drones.”