Última hora

Última hora

Madrid recorre ao TC para travar processo independentista catalão

O governo espanhol vai pedir ao Tribunal Constitucional (TC) que anule o processo independentista da Catalunha, aprovado esta segunda-feira pelo

Em leitura:

Madrid recorre ao TC para travar processo independentista catalão

Tamanho do texto Aa Aa

O governo espanhol vai pedir ao Tribunal Constitucional (TC) que anule o processo independentista da Catalunha, aprovado esta segunda-feira pelo parlamento autonómico.

Os deputados catalães tinham aprovado por 72 votos a favor e 63 votos contra uma moção que prevê o início do processo independentista, com vista à criação de uma “república catalã”, até 2017.

Para o presidente do grupo parlamentar da coligação independentista, Juntos pelo Sim, Raul Romeva:

“Tenho a responsabilidade de defender uma moção através da qual iniciamos, de forma solene, a construção de um novo Estado, o Estado catalão”.

A moção foi aprovada apenas com os votos das duas formações independentistas, maioritárias no parlamento e com o voto contra de toda a oposição.

Para o líder da bancada dos socialistas catalães (PSC), “é importante pensar na responsabilidade de apoiar uma moção que, longe de resolver os problemas com Espanha, piora a situação, ao fechar a porta a negociações”.

De visita a Salamanca, o primeiro-ministro Mariano Rajoy anunciou, como previsto, que vai recorrer ao Tribunal Constitucional, já na quarta-feira, para travar o processo independentista, deixando no ar outras possíveis medidas, como a suspensão da autonomia do território.

“O governo espanhol vai recorrer a todas as opções de um estado de direito, não apenas a lei, mas todas as leis, não apenas a democracia, mas toda a força da democracia, e este será o primeiro passo, e espero que seja o último”, sublinhou Rajoy.

Mas o rumo político da Catalunha está antes de mais pendente da reeleição do líder catalão, Artur Mas, amanhã no parlamento regional.

O homem que promoveu o referendo consultivo à independência, no ano passado, pode tornar-se agora no principal obstáculo ao processo independentista.

A formação separatista de extrema-esquerda CUP, afirma que não vai votar a favor de Mas, o que poderia mergulhar o território num impasse político que poderia levar à convocação de novas eleições no próximo ano.

A resolução aprovada hoje especifica que o processo independentista, “não estará submetido às instituições do Estado espanhol”.

A imprensa espanhola cita também a possibilidade de Madrid suspender a autonomia da região ou mesmo perseguir os independentistas pelo crime de “conspiração com vista a sedição ou motim”, caso se recusem a acatar a decisão do TC.