Última hora

Última hora

Visa for Music: uma plataforma para os músicos do sul e do norte de África sem passar pela Europa?

Em leitura:

Visa for Music: uma plataforma para os músicos do sul e do norte de África sem passar pela Europa?

Tamanho do texto Aa Aa

Durante quatro dias, Rabat foi a capital da música em África. A feira “Visa for Music” pretende criar uma plataforma de promoção dos artistas do

Durante quatro dias, Rabat foi a capital da música em África. A feira “Visa for Music” pretende criar uma plataforma de promoção dos artistas do continente africano. O objetivo é criar pontes entre os músicos e profissionais das indústrias culturais.

Point of view

Penso que é importante que haja união entre o sul e o norte de África. É uma boa altura para descobrir artistas africanos em África, em vez de ir a França ou à Bélgica conhecer artistas. Queria ver o que se passava aqui e estou muito impressionado.

O evento vai na segunda edição. A direção faz um balanço positivo do trabalho desenvolvido no último ano.

“A maioria dos artistas programados no ano passado foi convidada para festivais de grande prestígio no mundo inteiro, na Europa, nos Estados Unidos, no Canadá e no Médio Oriente”, afirmou à euronews Brahim El Mazned, diretor e fundador do evento.

Os Créole, da ilha colombiana de San Andrés foram uma das bandas convidadas para a segunda edição do Visa for Music.

“Penso que na Europa, no hemisfério norte, as coisas não mudam muito. São sempre as mesmas pessoas que vendem os mesmos artistas. Aqui, há artistas novos, podemos estabelecer contactos, refrescar os nossos conhecimentos, conhecer pessoas jovens que nos permitem renovar a nossa cena artística”, considerou Patrick De Groote, diretor artístico do festival Sfinks.

A feira marroquina programou cerca de 60 bandas.

Tenerife Creativa é o nome de um projeto intercultural das ilhas Canárias que integra uma cantora e teclista japonesa.

“Por tradição, as ilhas Canárias estão mais voltadas para a Europa e para a América mas agora estamos a descobrir o nosso continente, que é África. Temos muitas oportunidades de negócio e podemos organizar parcerias com empresas que conhecemos nesta feira”, sublinhou Néstor Yanes Díaz, gestor do projeto.

O músico Weesli nasceu em Porto Príncipe, no Haiti e, atualmente, vive e trabalha em Montreal, no Canadá.

A produtora Stefanie Schumann conhece bem os grandes eventos mundiais do setor mas prefere os encontros mais intimistas, como a feira Visa for Music.

“É verdade que há muitas feiras internacionais dedicadas à música, mas eu prefiro os eventos mais pequenos, são mais interessantes. Nos grandes feiras, as pessoas estão mais nervosas, têm menos tempo para falar, aqui é mais fácil encontrar parceiros de negócios e é possível estabelecer contactos mais sólidos, com mais profundidade”, disse a produtora alemã.

O grupo Gabacho Maroconnection reúne artistas franceses, latino-americanos e marroquinos. Nos últimos três anos, a banda tem tocado na Europa, em África, na América do Sul e na Ásia.

Há artistas que apesar de não terem concertos previstos, quiserem vir a Rabat só para lançar projetos e estabelecer contactos.

“Este ano venho aqui para ver se o meu projeto de videoclip corre bem, se há desenvolvimentos ou não. É bom voltar em 2015. Conheci pessoas novas, novos projetos de diferentes países. É ótimo”, comentou o músico Mc Zanzan.

“Estou muito impressionada com a quantidade de contactos que fiz e com a rede que é possível criar. Conheci muita gente, produtores, gestores e profissionais que trabalham nesta área há muito tempo, e com quem poderei trabalhar no futuro. Por isso foi bom”, contou a cantora Christine Akoth Obanda.

“Penso que é importante que haja união entre o sul e o norte de África. É uma boa altura para descobrir artistas africanos em África em vez de ir a França ou à Bélgica conhecer artistas, queria ver o que se passava aqui e estou muito impressionado, é muito bom”, disse Billy Domingo, director do Festival Cape Town International Jazz.