This content is not available in your region

Presidente do FIDA: "Os principais obstáculos da luta às alterações climáticas em África são internos"

Access to the comments Comentários
De  Euronews  com euronews
Presidente do FIDA: "Os principais obstáculos da luta às alterações climáticas em África são internos"

<p>“África contribui com a menor parcela de emissões de carbono, mas é o continente mais sensível às mudanças climáticas. A vulnerabilidade única é agravada pela pobreza generalizada”, recorda a jornalista Sarah Chapel. </p> <p>Na cimeira do Clima (COP21), em Paris, os países ricos comprometeram-se em apoiar as nações mais pobres com 100 mil milhões de dólares anuais, para os ajudar a enfrentar os impactos das alterações climáticas. O <a href="http://www.ifad.org/governance/index_full.htm">Fundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola</a> (<span class="caps">FIDA</span>) acredita que o compromisso da COP21 a favor dos países em desenvolvimento é um grande passo em frente. </p> <p>A organização financia projetos nos países em desenvolvimento, como explica o presidente Kanayo Nwanze: “Tentamos ver como apoiar os produtores rurais que, na realidade, alimentam a maioria da população de África, onde o impacto das mudanças climáticas resultaram numa grande degradação do solo e da terra, em menos comida disponível e em muitos riscos para os agricultores”.</p> <p>Desde a criação em 1978, a <span class="caps">FIDA</span> já investiu 15 mil milhões de dólares em quase mil projetos e programas. Ajudou mais de 430 milhões de pessoas em zonas rurais pobres. </p> <p>Kanayo Nwanze estima que os principais obstáculos da luta às alterações climáticas em África são internos: “O maior desafio em África é ter a liderança certa ao mais alto nível político, que dê um apoio total à agricultura e que ponha de parte todo o apoio financeiro disponível dos orçamentos para apoiar a agricultura”.</p> <p>Pequenos agricultores, sobretudo mulheres, sobrevivem graças à agricultura. Apoiar o crescimento e o desenvolvimento é essencial para combater as mudanças climáticas mas também para melhorar a segurança alimentar e nutricional em África.</p>