Última hora

Última hora

Gravity : Lindsey Vonn arrebata em Cortina d'Ampezzo

Em leitura:

Gravity : Lindsey Vonn arrebata em Cortina d'Ampezzo

Tamanho do texto Aa Aa

Benvindos a mais uma edição de Gravity. Lindsey Vonn provou mais uma vez que não é por acaso que é chamada “rainha da velocidade”. A norte-americana ganhou este domingo a descida e o super-G em Cortina d’Ampezzo.

Lindsey Vonn conquistou a oitava vitória da temporada e a sétima numa prova de velocidade e a septuagésima quinta da sua carreira num campeonato do mundo. Na descida deste domingo, ninguém conseguiu rivalizar com a norte-americana. Vonn superou Tina Weirather, que tinha o melhor tempo provisório, de 0’‘69.

A alemã Viktoria Rebensburg e a suíça Lara Gut, que partiram depois, acabaram a 1’‘15 e 1’‘31.

Com esta vitória, Lindsey Vonn saltou para a cabeça da classificação geral, ocupando o lugar de Gut, que ficou em quinto lugar. A norte-americana continua a aproximar-se do recorde de vitórias em campeonatos mundiais, que pertence desde 1989 ao sueco Ingemar Stenmark.

Tina Weirather e Viktoria Rebensburg completaram o pódio do super-G de Cortina d’Ampezzo.


O fenómeno Vonn

Lindsey Vonn ganhou três super-gigantes e quatro das cinco descidas disputadas este inverno. A norte-americana sabe tirar partido do seu potencial para dominar perfeitamente as provas de velocidade graças.

Segundo o especialista em esqui alpino Franck Piccard, Lindsey Vonn é principalmente um fenómeno físico. “É alta e trabalhou bem o perfil físico. É capaz de ganhar apoios quase como os homens. Consegue manter as curvas, é capaz de muitas coisas, em todas as circunstâncias.”, diz Piccard, acrescentando que “A vantagem de Vonn é principalmente física, mas a esquiadora tem também uma forte personalidade. É um exemplo durante várias temporadas, tem uma ambição fenomenal, tem vontade de ganhar e concorre em várias disciplinas. Venceu todas as provas de slalom em descidas. As lesões não lhe metem medo, é capaz de vencer em qualquer circunstância.”

Svindal sem sorte

A sorte dos noruegueses é diferente, com o fim de temporada prematuro de Aksel Lund Svindal, que feriu o joelho ao cair na descida de Kitzbühel. Isto enquanto o seu compatriota Henrik Kristoffersen continua imbatível nos slaloms.

Sexto slalom da temporada e quinto sucesso para Henrik Kristoffersen, que se impõe em Cortina d’Ampezzo pela primeira vez na sua carreira.

Ao fim do primeiro percurso estava em décimo segundo, mas conseguiu aproximar-se três centésimos de segundo do favorito, o austríaco Marcel Hirscher. A completar o pódio, o alemão Fritz Dopfer, autor do melhor tempo da primeira corrida. O próximo slalom será em Schladming, na terça-feira .


Kitzbühel já foi de Luc Alphand

Muito antes do sucesso de sexta-feira de Pinturault, Muffat-Jeandet e Mermillod-Blondin na prova de super-combinado, outro francês tinha brilhado em Kitzbühel. Em 14 de Janeiro de 1995, Luc Alphand assinou um desempenho impressionante.


O esquiador de Serre-Chevalier estava com quase 30 anos de idade e não contava vitórias quando se lançou na pista de Streif. A prova tinha sido retomada depois de interrompida pela queda do italiano Pietro Vitalini. Sem perder a estabilidade, Luc Alphand consegue o melhor tempo ultrapassando Patrick Ortlieb e Kristian Ghedina. Três horas mais tarde conquistou a segunda descida em Kitzbühel. ganha depois a classificação geral na Taça do Mundo em 1997, antes de abraçar as competições automóveis como piloto, tendo vencido o Rally Dakar em 2006.

It’s snowtime!

Para terminar esta edição de Gravity, voltamo-nos agora para Andorra, onde decorreu mais uma prova do Freeride World Tour.

Tempo de apreciar os sucessos do norte-americano Jacklyn Paaso e do sueco Kristofer Turdell.

It’s snowtime!