Última hora

Última hora

Suécia: Assassínio em centro de acolhimento de migrantes impõe reforço policial

O primeiro-ministro da Suécia prometeu reforçar os recursos da polícia na sequência do assassinato de uma empregada num centro de acolhimento para

Em leitura:

Suécia: Assassínio em centro de acolhimento de migrantes impõe reforço policial

Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro-ministro da Suécia prometeu reforçar os recursos da polícia na sequência do assassinato de uma empregada num centro de acolhimento para migrantes, em Mölndal, a sul de Gotemburgo. O caso levantou receios de que a polícia sueca não tenha capacidade para gerir a vaga de migrantes a chegar ao país.

Um migrante menor que procura asilo na Suécia foi já detido sob suspeita do homicídio, com recurso a uma arma branca, de Alexandra Mezher, a funcionária do centro de acolhimento de 22 anos e, curiosamente, ascendência libanesa.

“Era uma funcionária fantástica. Trabalhava no muito importante setor da segurança social. No nosso local de trabalho devemos sentir-nos seguros e longe do risco. Isso não aconteceu neste caso. Uma pessoa foi morta. Agora devemos pensar na família dela, nos amigos e nos colegas de trabalho. Isto é de facto uma tragédia”, afirmou o primeiro-ministro Stefan Lofven, que a uma rádio local sueca admitiu que “as autoridades têm tido uma maior carga de trabalho devido à situação dos refugiados, por isso são precisos mais recursos.”

A Suécia reverteu no final do ano passado a política de portas abertas à imigração e reforçou o controlo de fronteiras e documentos para tentar refrear a entrada no país de migrantes em busca de asilo.

A polícia reclama a necessidade de admitir mais 2500 agentes depois de a Suécia ter acolhido, só no ano passado, mais de 160 mil migrantes em busca de asilo, o que coloca este país nórdico como aquele que acolhe a maior proporção de refugiados per capita da União Europeia.

 

Taxa de incidentes aumenta em centros de asilo suecos

De acordo com a Agência Sueca de Migração, o número de ameaças e de incidentes violentos em centros de asilo mais do que duplicou de 2014 (148) para 2015 (322), ano em que este país nórdico recebeu um vasto contingente de migrantes. Com uma população de 9,8 milhões, a Suécia acolheu em 2015 cerca de 163 mil pessoas em busca de asilo, dos quais cerca de 35.400 seriam menores sem acompanhamento familiar.

No arranque deste ano, a Agência tinha 181.890 pessoas registadas nos serviços de acolhimentos, das quais 101.100 estavam acomodadas em centros de acolhimento do organismo. Durante 2015, 109.235 pessoas receberam vistos de residência na Suécia, justificados por estudos, ligações familiares (o mais usual), trabalho ou proteção. Muitos dos vistos são temporários. Cerca de 35 mil requerentes de asilo, excetuando a quota de 1900 refugiados, receberam visto de residência na Suécia no ano passado. Muitos dos pedidos de asilo registados em 2015 não foram ainda processados.


Fonte: Agência Sueca de Migração