Última hora

Última hora

Sobe para pelo menos 150 o número de mortos dos atentados de domingo na Síria

Pelo menos 150 pessoas morreram na Síria, numa série de atentados reivindicados pelos “jihadistas” do autoproclamado Estado Islâmico, em zonas

Em leitura:

Sobe para pelo menos 150 o número de mortos dos atentados de domingo na Síria

Tamanho do texto Aa Aa

Pelo menos 150 pessoas morreram na Síria, numa série de atentados reivindicados pelos “jihadistas” do autoproclamado Estado Islâmico, em zonas controladas pelo regime do Presidente Bachar al-Assad.

No sul da capital, Damasco, pelo menos 96 pessoas foram mortas perto de um santuário xiita, num duplo ataque ‘jihadista’.

“Estava a dormir quando ouvi a primeira explosão. Cerca de cinco minutos depois explodiu a segunda bomba. Um homem detonou a bomba que tinha no corpo e cinco minutos depois um segundo homem fez o mesmo,” revelou um popular.

Homs, a terceira cidade do país, foi atingida pelo mais sangrento atentado ali ocorrido desde 2011, e provocou pelo menos 59 mortos, segundo a organização não-governamental Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Foi com este cenário, e apesar do fracasso das anteriores tentativas de decretar um cessar-fogo na Síria, que o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, anunciou, domingo, em Amã, na Jordânia, “um acordo de princípio provisório” com a Rússia, sobre as condições para uma trégua, que “poderá começar nas próximas horas”.

“A cessação das hostilidades, um hudna, é possível ao longo das próximas horas,” afirmou John Kerry, em Amã.

O presidente sírio, Bashar al-Assad, disse estar pronto para um cessar-fogo e acabar com a guerra civil de cinco anos, na condição de os “terroristas” não usarem a pausa nas hostilidades contra o regime de Damasco.

O conflito na Síria já provocou mais de 260.000 mortos e obrigou à fuga de mais de metade da população do país.