Última hora

Última hora

Pelo menos 23 portugueses na lista de recrutas do ISIL

O tipo de sangue e o nível de compreensão da lei islâmica são algumas das informações que surgem no formulário composto por 23 questões e que os recrutas do autodenominado Estado Islâmico estariam obr

Em leitura:

Pelo menos 23 portugueses na lista de recrutas do ISIL

Tamanho do texto Aa Aa

A lista de 22 mil recrutas do autodenominado Estado Islâmico já está nas mãos da Unidade Nacional de Combate ao Terrorismo. Nos documentos, com informações detalhadas sobre pessoas de 51 países que se juntaram ao grupo radical contam-se 23 portugueses ou lusodescendentes.

Os documentos que mais se assemelham a formulários de inscrição dos novos recrutas tornaram-se públicos depois de um antigo combatente do Daesh os ter passado a um jornalista da televisão britânica Sky News. Mas a imprensa alemã garante que os serviços secretos já conheciam esta lista desde 2013. Certo, é que tanto o ministro do Interior alemão como a polícia federal não tardaram a confirmar que estes documentos são autênticos.

“Poucos grupos terroristas têm registos dos seus membros e informações sobre onde podem ser encontrados. O que vemos com o Daesh e os documentos provam que este não é apenas um grupo terrorista, mas uma organização que se comporta como um Estado” refere o analista Peter Neuman.

Um Estado procurado, maioritariamente, por pessoas do Médio Oriente e do norte de África, mas também por cidadãos europeus.

Muitos dos nomes já estavam referenciados. Sabe-se agora que nem todos se encontram na Síria. Ao que tudo indica, alguns documentos contêm informações sobre extremistas que estão na Europa ocidental e em países como os Estados Unidos e o Canadá.

O governo alemão diz que os documentos podem ser decisivos para acelerar a investigação. Resta saber o que foi feito desde 2013, ano em que os serviços secretos terão tido acesso a estas informações, agora, fornecidas à Sky News por um homem desiludido com o rumo seguido pelo grupo radical que chegou a integrar o Exército Sírio Livre antes de aderir ao autodenominado Estado Islâmico.