Última hora

Última hora

Alemanha: Polícia investiga eventual execução na explosão de Berlim

Um carro explodiu quando circulava numa das principais vias do centro da capital, junto à Ópera Alemã. Uma pessoa, o condutor, morreu. Era um conhecido das autoridades por suspeita de tráfico de droga

Em leitura:

Alemanha: Polícia investiga eventual execução na explosão de Berlim

Tamanho do texto Aa Aa

A polícia alemã já descartou a hipótese de ter sido um ataque terrorista a explosão ocorrida esta terça-feira de manhã, à hora de ponta, numa das principais vias do centro de Berlim. As autoridades estarão agora a apontar a investigação para uma eventual execução entre grupos de crime organizado da capital germânica.

Point of view

Estamos a assumir que houve um assassinato com uma bomba colocada sob o carro.

Uma pessoa morreu na sequência da explosão: o condutor, de 43 anos, da viatura que explodiu por volta das 08 horas da manhã, quando circulava rumo ao centro de Berlim, na Bismarckstrasse, junto à Ópera Alemã, no distrito de Charlottenburg.

(Não há, de facto, qualquer evidência de enquadramento terrorista)

A vítima era já conhecida das autoridades, por suspeitas de envolvimento em tráfico de droga, jogo ilegal e falsificação de dinheiro. Após a explosão, o homem ainda saiu do veículo, mas morreu no local. O carro ficou danificado sobretudo no lugar do condutor, não tendo a explosão afetado a zona circundante à viatrua em movimento nem há feridos a registar.

“Estamos a assumir que houve um assassinato com uma bomba colocada sob o carro”, afirmou Martin Steltner, porta-voz do Ministério Público de Berlim, o qual confirmou que a vítima estava a ser investigada desde 2008 por suspeita de vários delitos. “A nossa presunsão é que este caso está ligado ao crime organizado”, adiantou Steltner, afastando a teoria de um ataque terrorista.

(De acordo com o nosso colega no local, o carro explodiu quando circulava e, em seguida, capotou.)

A polícia procura ainda clarificar se o alvo da execução era de facto o condutor do Volkswagen Passat que explodiu ou outra pessoa, uma vez que, por exemplo, de acordo com o jornal Bild, a viatura havia sido registada por uma mulher com um aparente nome turco.

A explosão terá sido ouvida no raio de um quilómetros, de acordo com algumas testemunhas. Um residente próximo do local afirmou que o edifício teria vibrado com o estrondo. O carro foi impulsionado no ar pela explosão e ainda terá percorrido umas dezenas de metros, embatendo num Porsche Cayenne estacionado na via, antes de se imobilizar.

A zona foi isolada para prevenir um eventual segundo engenho explosivo por deflagrar, mas após verificação não foi encontrado nenhum outro dispositivo perigoso. A cena do alegado crime continua a ser investigada, com a polícia a recorrer a todos os meios tecnicos, incluindo um drone conhecido como “multicopter” (vídeo em baixo).