Última hora

Em leitura:

"The Ruling Passion": Da Hungria para o mundo uma mensagem de esperança sobre a esclerose múltipla

le mag

"The Ruling Passion": Da Hungria para o mundo uma mensagem de esperança sobre a esclerose múltipla

In partnership with

A esclerose múltipla é o tema central de “Shine Through”, uma das músicas da banda de rock húngara “The Ruling Passion”.

A doença afeta milhões de pessoas em todo o mundo e os efeitos incapacitantes que acarreta também tomaram conta do corpo do vocalista do grupo. Nas imagens de um videoclip Zoltán Nagy aparece numa cadeira de rodas. Vive com esclerose há 14 anos e por isso retratou numa música aquela que chama de “companheira de mil rostos.”

“Tentei passar uma mensagem positiva às pessoas que sofrem da doença. As músicas lentas, líricas fazem chorar. Procurei escrever algo encorajador”, diz Zoltán Nagy.

Antes de sofrer os efeitos nefastos da doença Zoltán cantava numa banda de rock, mas viu-se forçado a parar. Continuou a trabalhar até que a esclerose o atirou para uma cadeira de rodas há quatro anos. Agora vive com os pais e raramente sai.

“Foi impressionante perceber o quão rápido o meu estado de saúde se agravou. Depressa deixei o trabalho e acabei sentado em casa. Não podia fazer coisa alguma”, desabafa o vocalista dos “The Ruling Passion”.

Não podia fazer coisa alguma, até que o amigo e antigo companheiro dos tempos da música Peter Dávid reapareceu e voltaram a escrever juntos temas como “Shine Through”, sobre a doença de Zoltán.

Como querem dar ânimo aos doentes em todo o mundo decidiram escrever uma versão em inglês e lançá-la na jornada Mundial da Esclerose Múltipla, que se assinala a 25 de maio.

A doença crónica afeta o sistema nervoso central e interfere com a capacidade de controlar funções como a visão, locomoção e equilíbrio. Alguns tratamentos e medicamentos permitem muitos doentes continuar a viver com poucas mudanças.

A esclerose não tem cura, mas o médico de Zoltán, Gábor Jakab, acredita no poder regenerador da música e de outras expressões artísticas: “Não se pode escrever tudo numa prescrição. As pessoas têm de encontrar a própria forma de expressão. Espero que o exemplo de Zoltán chegue a muita gente e que todos sejam capazes de descobrir o poder interior que julgavam estar adormecido ou até perdido. Esse poder ajudará a viver uma vida muito mais digna.”

Zoltán encontrou o poder na música, a mesma música que lhe dá a força para seguir em frente. Quer continuar a cantar, em nome de uma vida melhor, mas também para inspirar as vítimas da esclerose múltipla em todo o mundo.

Artigo seguinte