Última hora

Em leitura:

EUA: A solidariedade do arco-íris contra o atentado em Orlando

mundo

EUA: A solidariedade do arco-íris contra o atentado em Orlando

Publicidade

A comunidade homossexual condenou em uníssono o atentado de domingo nos EUA.

Milhares de ativistas manifestaram-se esta noite em várias cidades norte-americanas, de Washington a Orlando, contra a ação que visou igualmente a comunidade hispânica e o turismo da cidade mais visitada dos Estados Unidos.

O autor da ação teria decidido atacar-se aos homossexuais depois de ter visto dois gays a beijarem-se recentemente em Miami.

A comunidade gay denuncia um ataque num clima de tensão crescente no país, desde a legalização do casamento homossexual em junho do ano passado.

Em Chicago, um militante da causa gay, rejeita apontar culpas à comunidade muçulmana:

“Vivemos num país em que um candidato presidencial aposta no ódio anti-muçulmano para poder chegar à Casa Branca. É por isso que nós, ativistas LGBT, defendemos a justiça para todos, muçulmanos, asiáticos, para todos os que são vítimas do ódio, para lá da nossa comunidade”.

O ataque levou ao reforço da segurança em várias paradas do orgulho gay no país, como em Santa Monica, na California, onde o desfile foi marcado por mensagens de apoio às vítimas de Orlando.

A polícia local encontra-se ainda a investigar as intenções de um homem de 20 anos, detido ontem na cidade na posse de várias armas. As autoridades retificaram durante a noite uma primeira informação relativa à possibilidade do homem estar a preparar um ataque contra a marcha do “orgulho gay” na cidade.

Em Santa Monica, uma ativista defende a necessidade de não ceder ao medo, depois das autoridades terem ponderado cancelar o desfile.

“Penso que é realmente importante sair às ruas para não deixar que estes terroristas e outras pessoas nos impeçam de manifestar e de celebrar as nossas liberdades”.

As autoridades de Nova Iorque decidiram igualmente reforçar a segurança na marcha gay agendada para o próximo domingo.

Entrevistado pela imprensa norte-americana , um amigo homossexual do suposto autor do ataque, descarta as acusações de homofobia, afirmando que Omar Mateen teria mesmo assistido a espetáculos de “drag-queen”, no passado.

Várias cidades mundiais decidiram igualmente iluminar os seus principais monumentos com as cores do arco-iris, de Nova Iorque a Paris.

Em França, a presidente da Câmara da cidade anunciou que a torre Eiffel vai iluminar-se esta noite com as cores do estandarte da comunidade homossexual.

O presidente da Câmara do 11o bairro de Paris, atingido pelos dois atentados terroristas na capital francesa, decidiu igualmente hastear a bandeira do arco-íris, em solidariedade com as vítimas do atentado de Orlando:

Em Nova Iorque, o Empire State Building, decidiu, por seu lado, apagar as luzes do edifício para recordar o mais violento atentado registado no país:

Na Austrália, a ponte de Sydney também se iluminou esta noite com as cores do arco-íris.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

tradução automática

Artigo seguinte