This content is not available in your region

Fallujah escapa ao Daesh, mas insegurança mantém-se

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Fallujah escapa ao Daesh, mas insegurança mantém-se

<p>Apesar das <a href="http://expresso.sapo.pt/internacional/2016-06-18-Nos-prometemo-vos-a-libertacao-de-Fallujah-e-recuperamo-la">declarações de sexta feira do primeiro ministro iraquiano</a> a anunciar a libertação de Fallujah do domínio do Daesh, “os tiroteios, bombas suicidas e ataques de morteiros continuam“https://www.publico.pt/mundo/noticia/iraque-declara-vitoria-sobre-o-estado-islamico-em-falluja-mas-os-combates-continuam-1735568?frm=ult.</p> <p>A operação para recuperar Falluja foi lançada no final de maio e contou com as forças iraquianas aliadas ao apoio aéreo da coligação liderada pelos Estados Unidos.</p> <p>Fallujah fica a sessenta quilómetros de Bagdade e foi a primeira cidade a ser tomada pelo Daesh, em 2014.</p> <p>Saad Harbeja,do exército iraquiano, declara: “Temos de proteger as vidas dos nossos soldados, é melhor ser cuidadoso. Falluja esteve sob domínio do Daesh nos últimos dois anos e meio, mais um dou dois dias não vão mudar nada.” </p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="fr" dir="ltr">Irak: 30.000 civils déplacés de Fallouja en trois jours <a href="https://t.co/EFg9hf1tlk">https://t.co/EFg9hf1tlk</a> <a href="https://t.co/z5RA0j0dxm">pic.twitter.com/z5RA0j0dxm</a></p>— Europe 1 (@Europe1) <a href="https://twitter.com/Europe1/status/744533721919827969">June 19, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Mais de 82 mil civis já deixaram Fallujah em busca de segurança e, segundo as Nações Unidas, desde a retoma da cidade, há mais 25 mil a tentar sair. </p> <p>Mas <a href="http://pt.euronews.com/2016/06/18/iraque-a-beira-da-crise-humanitaria/">os campos estão mais do que sobrelotados</a>.</p> <p>Uma criança que conseguiu escapar de Fallujah diz: “A milícia do Estado Islâmico prometeu-nos comida, mas não havia. Quisemos fugir, mas não deixaram. Não há gás, gasolina, as escolas estão fechadas. O que havia era artilharia, aviões da força aérea e tanques.” </p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">'Isil hanged me by pair of handcuffs for a month to try to break me', escapee says. My dispatch from Makhmour Iraq <a href="https://t.co/fcnk2FVeVs">https://t.co/fcnk2FVeVs</a></p>— Josie Ensor (@Josiensor) <a href="https://twitter.com/Josiensor/status/744524487538806784">June 19, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Mas se Fallujah está quase liberta, a 300 quilómetros a norte, em Makhmour, mais de 3 mil pessoas fugiram ao terror do Estado Islâmico na cidade até alcançar a segurança da linha da frente Peshmerga nos últimos dias. </p> <p>O Daesh tenta infiltrar-se com os refugiados, pelo que os controlos securitários são rígidos da parte das forças Peshmerga.</p>