Última hora

Em leitura:

Semana da Moda de Milão

Cult

Semana da Moda de Milão

In partnership with

Na Semana da Moda de Milão, Alessandro Michele, o diretor criativo da Gucci, convidou-nos a uma viagem pelo mundo do fantástico e do excêntrico.

A coleção da casa italiana apresentou criações florais que chocam com padrões de corte militar, notas náuticas e malhas milimetricamente pensadas e que se expressam em cores garridas.

Uma viagem que não se fez sem a presença de um clássico da animação mundial. O Pato Donald. Como qualquer personagem Disney, Donald deu provas de versatilidade, presente num estampado de um casaco de couro e no padrão de um colete de malha com os tons da estação.

Ao longo de toda a apresentação, a coleção da Gucci propôs-nos uma noção de trajetória, de caminho, no fundo, até nenhum lugar em especial, mas sempre com a possibilidade de criarmos o nosso próprio destino, de espírito e coração abertos ao que possa surgir.

Giorgio Armani insistiu em vincar os traços característicos das suas criações em Milão. A linha Emporio Armani foi mais longe, sendo testemunho do cunho pessoal do italiano numa coleção com uma personalidade forte.

Uma apresentação com uma nota urbanitas muito marcada. Motivos brancos em t shirts negras, casacos estampados com padrões bitonais. Em quase todas as peças, tons escuros, recursos clássicos e acutilantes. É que, para Armani, uma coleção é sempre uma reivindicação de identidade.

Vivienne Westwood dedicou a passagem por Milão ao fundador do Wikileaks, australiano Julian Assange.

De resto, a irreverência continua a ser a palavra de ordem de Westwood, a filha do movimento punk. A criadora, que não dispensa uma boa polémica, dá a conhecer, nesta coleção e uma vez mais, o mundo como o entende.

Androginia vestida a malhas que funcionam como túnicas e vestidos de inspiração árabe marcaram a coleção da estilista. Uma coleção que relembrou ainda alguns dos grandes nomes do rock, como Hendrix, Faithtul ou Brian Jones. Casacos com franjas, casacos de veludo e detalhes de corte militar homenagearam uma época que Westwood conhece bem.

Algumas das peças apresentadas expressaram também a preocupação da estilista com o estado do Planeta e pela forma como abusamos dele. Westood apresentou-se na passerelle vestindo uma T-Shirt na qual podia ler-se “I am Julian Assange.”

Artigo seguinte