Zona euro: Preços voltam a subir

Access to the comments Comentários
De  Patricia Cardoso  com Reuters, Lusa, AFP, Eurostat
Zona euro: Preços voltam a subir

<p>A inflação regressa a terreno positivo na zona euro. Em junho, a taxa de inflação anual subiu para 0,1%, segundo a <a href="http://ec.europa.eu/eurostat/documents/2995521/7545551/2-30062016-AP-FR.pdf/e1644c23-62ed-4b64-b60f-d7cd2cb6481c">estimativa do Eurostat</a>. </p> <p>Em maio, a inflação tinha sido -0,1% e e os analistas esperavam que a taxa ficasse inalterada. </p> <p>Trata-se do primeiro aumento da inflação desde janeiro.</p> <p>O setor dos serviços é o que registou a maior subida dos preços (1,1%). Na alimentação, álcool e tabaco houve uma estagnação (0,9% tal como em maio) enquanto os preços da energia recuaram 6,5%, embora haja um abrandamento face a maio (-8,1%). </p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt"><p lang="en" dir="ltr">Euro area inflation up to 0.1% in June 2016 (-0.1% in May): flash estimate from <a href="https://twitter.com/hashtag/Eurostat?src=hash">#Eurostat</a> <a href="https://t.co/qMVJ9hAplp">https://t.co/qMVJ9hAplp</a> <a href="https://t.co/rD3WS26vdh">pic.twitter.com/rD3WS26vdh</a></p>— EU_Eurostat (@EU_Eurostat) <a href="https://twitter.com/EU_Eurostat/status/748441063250067456">30 de junho de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Apesar da subida e do pacote de estímulos, a taxa de inflação mantém-se ainda longe da meta de 2% fixada pelo Banco Central Europeu (<span class="caps">BCE</span>). </p> <p>A instituição revela que não pretende aligeirar a política monetária a curto prazo, tendo em conta o “Brexit”. Segundo o vice-presidente Vítor Constâncio, o <span class="caps">BCE</span> vai esperar para ver como reagem os mercados e poderá agir se necessário. </p> <p>Os analistas estimam que o <span class="caps">BCE</span> e o Banco de Inglaterra vão baixar as taxas de juro até ao final do ano. </p> <p>Desde dezembro, o <span class="caps">BCE</span> baixou duas vezes a taxas de juro e compra 80 mil milhões de euros em ativos por mês.</p>