Crimeia: Rússia instala sistema de mísseis antiaéreos S-400

Access to the comments Comentários
De  Miguel Roque Dias  com Reuters
Crimeia: Rússia instala sistema de mísseis antiaéreos S-400

<p>A Rússia instalou na Península da Crimeia um sistema de mísseis antiaéreos <em>S-400 Triumph</em>.</p> <p>Segundo o Ministério russo da Defesa, foi criado, também, um posto de comando no território anexado em 2014.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Russia deploys advanced S-400 air missile system to Crimea: agencies <a href="https://t.co/fGyVMSq7bn">https://t.co/fGyVMSq7bn</a></p>— Reuters Top News (@Reuters) <a href="https://twitter.com/Reuters/status/764113505561829377">August 12, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>A medida surge um dia depois do presidente ucraniano, Petro Poroshenko, ter colocado as unidades militares em estado de alerta e prontas para o combate, nas fronteiras com a Crimeia e a Rússia.</p> <p>O diretor dos serviços secretos ucranianos diz que os russos estão “a tentar encobrir: em primeiro lugar, o aumento do número de tropas na Península da Crimeia; em segundo lugar, a movimentação de tropas nas proximidades das fronteiras.”</p> <p>Vadym Skybytskyia afirma que as últimas movimentações de Moscovo têm como objetivo “aumentar o nível de ameaça contra os ucranianos e e o escalar da tensão em torno do país “.</p> <p>A troca de acusações e medidas de demonstração de força podem levar ao corte das relações diplomáticas entre Moscovo e Kiev.</p> <p>O primeiro-ministro russo afirmou que os atos subversivos na Crimeia são um crime contra a Rússia. </p> <p>Dmitry Medvedev avisa que não gostaria que houvesse um corte de relações diplomáticas mas “se não houver outra opção, o presidente pode, provavelmente, tomar essa decisão.”</p> <p>Os Serviços Secretos russos informaram terem detido um operacional ucraniano e terem impedido duas ações armadas que tinham como objetivo colocar sabotadores da Ucrânia na Crimeia.</p> <p>Kiev nega as acusações e informa que o detido não pertence aos serviços secretos ucranianos.</p>