Última hora

Em leitura:

Radar: Os insólitos da semana

mundo

Radar: Os insólitos da semana

Publicidade

À sexta-feira, os jornalistas das 13 línguas da euronews selecionam um conjunto de histórias que não tiveram direito a grande destaque na imprensa internacional.


Síria, destino de sonho?

Apesar da guerra civil que já matou centenas de milhares de pessoas e causou a maior onda de refugiados deste século, o Ministério do Turismo sírio acaba de lançar uma campanha a promover as praias “paradisíacas” do país. O vídeo mostra a estância costeira de Tartus, perto de uma base militar russa e considerada “sob proteção permanente”.

É difícil acreditar que alguém queira, perante a situação atual, fazer férias na Síria. No entanto, o mesmo ministério garante, num post no Facebook, que o turismo cresceu 30% este ano, comparando com 2015.


França: Na tropa não se caçam Pokémons

O ministério francês da Defesa leva o “Pokémon Go” muito a sério. Numa nota interna, publicada pelo jornal “Le Canard Enchaîné”, um dos departamentos do ministério mostra-se preocupado com os possíveis intrusos nas bases militares motivados pela caça aos bichos virtuais do jogo criado pela Niantic.

A nota desaconselha também os militares a jogar, por poder “gerar comportamentos aditivos nocivos à segurança individual e coletiva” (sic).


França: Cocaína numa fábrica de… Coca-Cola

Se a cocaína fazia parte da receita original, há muito que deixou de fazer parte da composição da Coca-Cola. Isto apesar da “lenda urbana” segundo a qual a droga continua a ser o “ingrediente secreto”.

Os 370 quilos descobertos numa fábrica em Signes, no sul de França, pode dar argumentos aos defensores da lenda: Os empregados descobriram a droga ao abrir um contentor vindo da América do Sul. A cocaína teria um valor de mercado de mais de 50 milhões de euros.

A justiça francesa abriu uma investigação…


Vida na Terra já existia há 3,7 mil milhões de anos

A vida na Terra apareceu há mais tempo que o até agora apontado pelos cientistas. Os fósseis agora descobertos na Groenlândia fazem acreditar que já existia vida há 3,7 mil milhões de anos, ou seja, 200 milhões de anos antes da data antes dada pelos cientistas como a provável para o desenvolvimento da vida no nosso planeta.

Como as condições da Terra nessa altura eram semelhantes às de Marte, a descoberta leva a especular que a vida também possa ter aparecido no Planeta Vermelho.


Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte