Última hora

Em leitura:

"Morgan": Quando os humanos tentam ser 'Deus'

cinema

"Morgan": Quando os humanos tentam ser 'Deus'

In partnership with

Morgan é uma jovem mulher criada num ambiente de laboratório por um grupo de cientistas.
Com apenas um mês aprende a andar e a falar. Aos seis já é completamente autónoma.
A rápida progressão de Morgan é notável e supera as expectativas dos seus criadores.

O filme foi realizado por Luke Scott, filho de Ridley Scott que realizou “Alien” e “Blade Runner”.

Luke Scott diz que formas de vida sintética foi algo que sempre o fascinou: “A ideia de os seres humanos tornarem-se criadores de si próprios é fascinante. Estamos a tentar voar próximo do sol. Estamos a tentar ultrapassar a ideia abstrata de Deus. O que é realmente fascinante em tornarmo-nos criadores é possuirmos ao mesmo tempo o poder da destruição nas nossas mãos”.

A atriz norte-americana Kate Mara interpreta a personagem responsável por decidir se deve ou não terminar com Morgan antes que esta provoque mais problemas ou fuja do laboratório.

Referindo-se à cena em que Morgan é interrogada pelo personagem de Paul Giamatti, depois ter atacado vários cientistas, Kate refere: “Parece terem sido os dois dias mais cansativos da rodagem – 11 páginas do guião gravadas num take. As emoções foram muitas. Estávamos todos atrás do vidro a acompanhar as gravações e foi incrível”.

Anya Taylor-Joy, que encarna o papel da criança criada em laboratório, conta como foi trabalhar com Paul Giamatti.

“Estar sentada ao lado de um veterano, de alguém que sabe tanto… Ele é um mestre. Ensinou-me muito naqueles dois dias. Fez-me sentir que estava de volta às aulas de teatro. Ensinou-me a importância de surpreender o ator com quem se está a trabalhar e tenho tentado transportar isso para outros trabalhos”.

“Morgan” estreia, este mês, num grande número de países, incluindo o Brasil, no dia 8. Ainda não há estreia marcada para Portugal.

Artigo seguinte