Última hora

Veneza: 50.000 habitantes, 74.000 turistas diários

Largas centenas de pessoas manifestaram-se contra um afluxo de turistas que consideram excessivo e que já levou muitos habitantes da Sereníssima a abandonar a cidade e a refugiar-se nos subúrbios

Em leitura:

Veneza: 50.000 habitantes, 74.000 turistas diários

Tamanho do texto Aa Aa

“Resistamos” – palavra de ordem dos venezianos que querem a sua cidade de volta. Largas centenas de pessoas manifestaram-se contra um afluxo de turistas que consideram excessivo: 74.000 turistas por dia, numa cidade de 50.000 habitantes.

allviews Created with Sketch. Point of view

"Esta é uma cidade que resiste e que quer resistir, precisa de um quotidiano normal - estamos cá e queremos continuar a viver aqui."

Marco Caberlotto Generazione '90

O aumento continuado de turistas levou muitos habitantes da Sereníssima a abandonar a cidade e a refugiar-se nos subúrbios.

“Defendemos Veneza e os venezianos. E quem foi exilar-se em Mestre [nos arredores] quer regressar a Veneza”, explica Mario Secchi, jornalista no jornal veneziano Il Gazzettino.

O protesto foi organizado pela associação Generazione ’90, que milita por uma cidade autêntica, onde se possa viver e habitar, como explica Marco Caberlotto:

“Mais de 1000 pessoas participaram com malas de viagens e carrinhos de compras. Demos um belo passeio até ao Rialto para retomar a cidade e passar uma mensagem de unidade. Esta é uma cidade que resiste e que quer resistir, precisa de um quotidiano normal – estamos cá e queremos continuar a viver aqui.”

Chamam-se Generazione ’90 porque dizem pertencer à última generação que viu Veneza como uma cidade autêntica, viva, onde arranjar casa e trabalho, passear ou fazer compras eram coisas normais – e não sobre-humanas.

Esta não é a primeira vez que os venezianos alertam para o perigo do turismo de massa numa cidade que hoje um dos habitantes que tinha no século XVIII, mas que manteve todo o seu charme.

Já em 2015, tinha sido organizada uma exposição de fotografias que mostrava Veneza “abalroada” por enormes barcos de cruzeiro.