Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Veneza: 50.000 habitantes, 74.000 turistas diários

Veneza: 50.000 habitantes, 74.000 turistas diários
Tamanho do texto Aa Aa

“Resistamos” – palavra de ordem dos venezianos que querem a sua cidade de volta. Largas centenas de pessoas manifestaram-se contra um afluxo de turistas que consideram excessivo: 74.000 turistas por dia, numa cidade de 50.000 habitantes.

Esta é uma cidade que resiste e que quer resistir, precisa de um quotidiano normal - estamos cá e queremos continuar a viver aqui.

Marco Caberlotto Generazione '90

O aumento continuado de turistas levou muitos habitantes da Sereníssima a abandonar a cidade e a refugiar-se nos subúrbios.

“Defendemos Veneza e os venezianos. E quem foi exilar-se em Mestre [nos arredores] quer regressar a Veneza”, explica Mario Secchi, jornalista no jornal veneziano Il Gazzettino.

O protesto foi organizado pela associação Generazione ’90, que milita por uma cidade autêntica, onde se possa viver e habitar, como explica Marco Caberlotto:

“Mais de 1000 pessoas participaram com malas de viagens e carrinhos de compras. Demos um belo passeio até ao Rialto para retomar a cidade e passar uma mensagem de unidade. Esta é uma cidade que resiste e que quer resistir, precisa de um quotidiano normal – estamos cá e queremos continuar a viver aqui.”

Chamam-se Generazione ’90 porque dizem pertencer à última generação que viu Veneza como uma cidade autêntica, viva, onde arranjar casa e trabalho, passear ou fazer compras eram coisas normais – e não sobre-humanas.

Esta não é a primeira vez que os venezianos alertam para o perigo do turismo de massa numa cidade que hoje um dos habitantes que tinha no século XVIII, mas que manteve todo o seu charme.

Já em 2015, tinha sido organizada uma exposição de fotografias que mostrava Veneza “abalroada” por enormes barcos de cruzeiro.