Vídeo

euronews_icons_loading
Raphael Grossi, diretor da AIEA, em Erevan, na Arménia