Última hora

Em leitura:

Hillary vs Trump: O dinheiro que separa as duas campanhas

mundo

Hillary vs Trump: O dinheiro que separa as duas campanhas

Publicidade

O eleitorado norte-americano não tem dúvidas quanto às diferenças que separam os dois candidatos na corrida às presidenciais dos Estados Unidos agendadas para 08 de novembro. Mas a ideologia, a postura ou a experiência são, apenas, alguns argumentos visíveis quando se trata de escolher entre Hillary Clinton ou Donald Trump. Nos bastidores há um outro argumento de peso chamado dinheiro.

Trump: o indesejado

A nomeação de Trump nunca foi consensual dentro do Partido Republicano, uma situação com consequências financeiras para o próprio candidato. Trump prometeu mesmo financiar a própria campanha, mas depressa compreendeu que precisava de mudar de estratégia.

De acordo com a Comissão Eleitoral Federal, no final de maio, a campanha do republicano dispunha apenas de 1,3 milhões de dólares. Um montante significativamente baixo para um candidato presidencial.

Para ter uma ideia, nessa altura, Hillary Clinton dispunha de cerca de 42 milhões.

Campanha económica

Ao mundo, Trump vangloriava-se de fazer uma campanha economicamente comedida e dava como exemplo o número de elementos da sua equipa: 70. Longe dos 700 elementos que compunham a equipa de Clinton.

As diferenças no que toca ao investimento das duas campanhas também, são significativas. Hillary recebeu 238 milhões de dólares, cerca de quatro vezes mais do que os 63 milhões que Trump recebeu desde o início do período eleitoral.

O republicano esperava obter a verba necessária para continuar em jogo através de doações e chegou a fazer um acordo com o Comité Nacional do Partido Republicano para contornar o problema. Mas as declarações polémicas de Trump acabaram por funcionar como uma armadilha para o próprio candidato.

Quem mais financia Trump

Documentos tornados públicos, esta terça-feira, revelam que dois terços das verbas angariadas – cerca de 75 milhões de dólares – pelo candidato republicano foram feitas por pessoas que doaram 200 dólares ou menos à campanha de Trump. E que as contribuições dos chamados comités de ação política ( PAC em inglês) ficaram aquém das expectativas.

As finanças de Clinton

Do lado democrata, um quarto dos donativos foi feito por pessoas que doaram 200 dólares ou menos à campanha de Hillary Clinton. O que representa, cerca de 71 milhões de dólares dos 289 milhões.

A maior injeção vem dos PAC, comités de ação política e super PAC. As contribuições financeiras dos PAC e de outras organizações rondam os 520 milhões de dólares.

Segunda a imprensa norte-americana, um grande parte dos doadores que durante as primárias financiaram campanhas de candidatos republicanos passaram, depois, a doar dinheiro para a campanha da candidata democrata. É o caso, por exemplo, dos apoiantes de Jed Bush, John Kasich ou Chris Christie.

Feitas as contas, até agosto, Hillary Clinton já tinha recebido 2,2 milhões de dólares oferecidos por pessoas que apoiaram os candidatos republicanos que desistiram durante as primárias.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

tradução automática

tradução automática

Artigo seguinte