Última hora

Em leitura:

Famílias das vítimas do 11 de setembro podem processar Arábia Saudita


EUA

Famílias das vítimas do 11 de setembro podem processar Arábia Saudita

ALL VIEWS

Clique para descobrir

As famílias das vítimas dos atentados do 11 de setembro podem agora processar a Arábia Saudita. Um tribunal norte-americano deu-lhes legitimidade, para argumentar que o regime saudita apoiou os terroristas envolvidos nos ataques.

Quinze dos 19 piratas do ar eram sauditas. Mas nunca foi provada a responsabilidade do Arábia Saudita. Até agora, os Estados Unidos tentaram proteger este aliado no Médio Oriente. Nesta quarta-feira, o Congresso dos Estados Unidos anulou o veto do presidente Obama e o “Justice Against Sponsors of Terrorism Act” passou a lei.

O Senado aprovou a lei, seguido pela Câmara dos Representantes. A lei altera o conceito de imunidade soberana que protege os estados e os seus funcionários de serem processados noutro país. “Quinze anos depois da tragédia ainda estamos a apurar os fatos, mas há evidências que o governo saudita ou pelo menos organizações e operacionais, dentro do governo saudita, ajudaram e incitaram um dos maiores crimes nos Estados Unidos”, diz o senador democrata do Cannecticut, Richard Blumenthal.

No entanto, existe alguma inquietação em torno das consequências que esta nova lei pode ter para a política externa dos Estados Unidos.
Os sauditas têm tido relações tensas com a administração de Obama. Negam qualquer tipo de implicação nos atentados do 11 de setembro, que mataram, aproximadamente, 3 mil pessoas e estão a exercer pressão para fazer cair a lei.

No entanto, a lei abre um precedente. Com a desculpa da reciprocidade, esta lei pode levar os governos estrangeiros a condenar soldados ou diplomatas norte-americanos.

ALL VIEWS

Clique para descobrir

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

mundo

França: Presidente inaugura gráfica onde foram abatidos atacantes do Charlie Hebdo