Última hora

Última hora

Mineiros da Virgínia Ocidental votam massivamente em Donald Trump

Em leitura:

Mineiros da Virgínia Ocidental votam massivamente em Donald Trump

Mineiros da Virgínia Ocidental votam massivamente em Donald Trump
Tamanho do texto Aa Aa

Estamos na Virgínia Ocidental, um dos estados mais pobres da América. É também o sítio onde vivem muitos dos defensores mais entusiastas de Donald Trump. É aqui, no coração da região mineira dos Apalaches, que Trump alcança os melhores resultados ao nível nacional.

Sempre estóicos e orgulhosos, estes habitantes das montanhas, mergulham agora num mar de desespero provocado pelo desemprego e encerramento das minas de carvão. Nos últimos anos, a Virgínia Ocidental assistiu ao desmoronar da economia com a profunda restruturação industrial e o desenvovlimento de novas fontes de energia, mais limpas e mais baratas.

Viajámos até Fairmont, à povoação de Marion County, a mais pobre da Virginia Ocidental, onde o salário médio oscila entre 11.500 e 13 mil euros. No “Noteworthy Sweets” encontrámos alguns dirigentes republicanos da região. Berry Bledsoe tem uma empresa metalúrgica e é candidato a um lugar no senado estadual.

“Trump fez um comício em Charleston, no qual eu estive, e havia muitos mineiros no público. Podia-se ver que eram mineiros pelos bonés que tinham nas cabeças. Ele disse: “estes mineiros – vejo aqui muitos mineiros – quero dizer-lhes uma coisa, tenham os vossos baldes preparados porque quando eu fôr eleito vou fazer os vosso cus voltarem ao trabalho! E eles quase fizeram o telhado vir abaixo com os aplausos e os gritos de apoio”, conta.

Para o comissário do condado, Ernie Vangilder, Trump é o mal menor.

“Se me perguntar se ele era o meu candidato nas primárias, digo-lhe que não. Mas se me perguntar hoje, digo que sim, absolutamente, tendo em conta a alternativa. Vamos pôr homens de negócios no governo e vamos deixar o governo fora dos negócios”.

Um outro candidato republicano, Phil Mallow, pensa que Trump é quem oferece mais garantias aos americanos:

“Se alguém que é multimilionário está disposto a deixar a sua vida confortável e a assumir uma tarefa inacreditável para o nosso bem, isso é qualquer coisa que agrada às pessoas. Elas querem isso. Não estamos a falar de alguém que quer ganhar dinheiro e depois sair. Falamos de alguém que diz “isto é o que eu vou fazer por vocês” e as pessoas identificam-se com isso”.

Donald Trump é visto aqui como um homem pragmático que diz as coisa diretamente. Diz o que pretende fazer e, apesar de ser multimilionário, as pessoas confiam nele muito mais do que em Hillary Clinton que tem, na Virginia Ocidental, uma quota de popularidade muito baixa e particularmente entre as mulheres:

“Eu sou daquelas que pensam que é preciso cortar com o passado. Não gostamos da Hillary. Trump será melhor”, afirma uma eleitora.

Outra, explica:
“Eu voto no Trump. Na verdade, eu não queria votar em nenhum, mas ele é o menor de todos os males. Mas estou preocupada, porque se isto é o melhor que os Estados Unidos têm para oferecer, então, estamos mal”;

e uma terceira, remata:
“Bom, eu apoio o Trump, porque não quero ver a Hillary Clinton na presidência”.

Na sede de campanha dos democratas reina o silêncio. Num enorme espaço vazio, James Tate é dos poucos que ainda tentam pelo telefone falar com alguns eleitores que acredita poder convencer. Mas o sentimento anti Clinton é muito forte. James mostra-se indigado com a candidatura de Trump.

“A sério! Como é que nesta terra de Deus, este homem conseguiu alcançar a nomeação? A população aqui é quase 100% de mineiros. Quer trabalhem ou não nas minas, a questão está no carvão… é difícil para eles desistirem disso, é difícil para eles perceberem que o carvão não tem futuro”.

O destino de Hillary Clinton na Virgínia Ocidental ficou selado quando disse em Março que iria encerrar muitas minas e empresas de exploração de carvão. Para além disso, nas últimas duas décadas, o perfil do eleitor democrata mudou: mais urbano, mais liberal e com mais estudos. O contrário do que se passa aqui nas montanhas de West Virgin.

“Este era um estado democrata que, progressivamente, se tornou republicano devido a algumas causas democratas como a ecologia ou o controlo das armas. Este eleitorado é esmagadoramente branco. Estes eleitores brancos, não-universitários, são muito importantes, mas são uma parte diminuta do eleitorado em geral. Estão a tornar-se uma aposta importante na política republicana. E esta é a base que Donald Trump cativa “. explica Carroll Boherty , do Pew Research Center em Washington.

O correspondente da Euronews nos Estados Unidos, Stefan Grobe, sintetiza o sentimento dos eleitores da Virginia Ocidental:

“As pessoas aqui sentem-se abandonadas pela administração Obama. Agora, depositam todas as esperanças em Donald Trump. Só ele, dizem, pode fazê-los recuperar os empregos e o orgulho”.