Última hora

Em leitura:

Bruxelas: UE e Equador assinam acordo comercial


A redação de Bruxelas

Bruxelas: UE e Equador assinam acordo comercial

Enquanto reinam as incertezas quanto a outros grandes acordos, a União Europeia avança noutras direções. Os responsáveis de Bruxelas assinaram esta sexta-feira um tratado de livre comércio com o Equador.

Um acordo que se junta aos já existentes com a Colômbia e Peru. Um compromisso que poder representar um alívio para a economia do país andino asfixiada pela prolongada queda do preço do petróleo e pela valorização do dólar. O acordo deve entrar em vigor a 1 de janeiro de 2017. Mas ainda tem de ser ratificado pelo Parlamento Europeu e Assembleia Nacional do Equador.

E nesta altura, estreitar relações com a Europa parece mais fácil e mais certo que com os Estados Unidos. Jorge Glas Espinel, vice-presidente do Equador, afirmou que “esperamos de Trump respeito, o respeito pelo nosso país, respeito pela nossa soberania. Os nossos cidadãos são sempre uma preocupação para nós. Países como o Equador ou outros da América Latinha têm importantes comunidades de imigantes nos Estados Unidos, com diferentes situações legais. Mas vamos estar atentos”.

Atentos vão também estar os líderes europeus. Em matéria de livre comércio e em relação às vontades do próximo presidente norte-americano existem muito poucas ou nenhumas garantias. A comissária europeia para o Comércio disse esta sexta-feira que “é natural que as negociações sejam interrompidas por algum tempo”. Cecilia Malmström disse mesmo que “o TTIP vai estar no congelador”.

Recorde-se que durante a campanha, Trump mostrou-se contra a Parceria Transatlântica para o Comércio e Investimento (TTIP) e contra todos os acordos de livre comércio já existentes.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

tradução automática

tradução automática

A redação de Bruxelas

O quebra-cabeças da política externa de Trump