Última hora

Última hora

Presidente turco responde a eurodeputados e acusa o "Ocidente" de acolher terroristas

O presidente turco desvalorizou as ameaças do parlamento europeu de “congelar” o processo de adesão de Ancara à União Europeia.

Em leitura:

Presidente turco responde a eurodeputados e acusa o "Ocidente" de acolher terroristas

Tamanho do texto Aa Aa

O presidente turco desvalorizou as ameaças do parlamento europeu de “congelar” o processo de adesão de Ancara à União Europeia.

Os eurodeputados vão votar amanhã a possível suspensão das discussões, defendida ontem pelos principais partidos do hemiciclo.

Acusado de não respeitar os valores europeus, na sequência de uma violenta purga da oposição, Recep Tayyip Erdogan afirmou que a decisão dos deputados europeus, “não tem qualquer valor”, voltando a acusar o Ocidente de acolher os separatistas curdos.

“Se ficarmos calados e não dissermos nada, o Ocidente vai continuar a dar as boas vindas a tiranos que têm sangue nas mãos, com passadeiras vermelhas, e vai continuar a etiquetam todas as vozes críticas como ditadores”.

Erdogan sublinhou ainda, “quando o Ocidente trata alguém de ditador, deve-se pensar o contrário, que se trata de uma boa pessoa pois vai contra os interesses do Ocidente”, defendendo o presidente-eleito Donald Trump da revolta nos EUA contra a eleição do novo presidente.

Em Berlim, a Chanceler alemã evocou igualmente a questão turca, e a repressão da oposição após o golpe de estado falhado de julho.

Para Angela Merkel, a tentativa de golpe militar, “não justifica as ações contra a liberdade de imprensa, a detenção de milhares e milhares de cidadãos, é isso que temos de criticar de forma clara, mas ao mesmo tempo não devemos cortar o diálogo”, “nós queremos cooperar com a Turquia mas da melhor forma, o que não impede que nos pronunciemos sobre as coisas que se passam no país”.

Desde julho que mais de 125 mil pessoas foram detidas na Turquia, entre soldados, académicos, juízes e jornalistas.

A tensão ocorre num momento em que a Turquia é um dos pilares do plano migratório da UE, ao albergar milhares de refugiados impedidos de entrar no espaço europeu.