Última hora

Estará a Turquia a afastar-se da União Europeia em prol da Rússia?

Uma negociação com mais de 50 anos pode estar ameaçada e parece haver um oportunista à espreita, em Moscovo.

Em leitura:

Estará a Turquia a afastar-se da União Europeia em prol da Rússia?

Tamanho do texto Aa Aa

Os primeiros passos da Turquia rumo ao bloco europeu foram dados há mais de cinquenta anos. Membro do Conselho da Europa desde 1949 e cofundadora em 1961 da Organização para a Cooperação e desenvolvimento Económico (OCDE), em 1963, o Acordo de Ancara assinalou o primeiro protocolo de associação daquela “ponte” territorial entre a Europa e a Ásia com a então denominada Comunidade Europeia.

Depois de um pedido formal de adesão ter sido efetuado em 1987, o processo, propriamente dito, só foi colocado sobre a mesa para ser negociado em 2005, mas há três anos a União Europeia suspendeu as negociações.

Proposta pela Alemanha, com apoio da Áustria, a suspensão foi justificada pela forma como o então primeiro-ministro Recep Tayyp Erdogan geriu os sangrentos protestos iniciados em Istambul, contra a destruição do parque Gezi, e alastrados a todo o país, em manifestações antigoverno.

“A Turquia deve refletir nos procedimentos e no comportamento da polícia e dos militares.
Tem de haver um gesto da parte da Turquia antes de abrirmos as negociações para a abertura de um novo capítulo”, alertava na altura o ministro austríaco dos Negócios Estrangeiros, Michael Spindelegger.

A relação entre Bruxelas e Ancara viria agravar-se ainda mais já este ano depois da alegada tentativa falhada de um golpe militar em julho e da consequente purga iniciada pelas autoridades fiéis ao, agora, Presidente da Turquia, mas ainda líder oficioso do Governo, embora não reconhecido pela Constituição.

A União Europeia advertiu Erdogan pelos supostos atentados contra os direitos humanos devido à repressão generalizada contra os opositores do regime.

A crise de refugiados e o alegado sentimento anti-islâmico na Europa também não ajudam a serenar os ânimos.

Professor universitário de relações internacionais, Nail Alkan antecipa mesmo que “a Turquia dificilmente poderá ser aceite na União Europeia devido à islamofobia”. “A Europa estará também a tentar evitar tornar-se agora vizinha do Irão, do Iraque e da Síria, países que fazem fronteira com a Turquia”, alega também este professor.

Em março deste ano, num pacto celebrado entre Bruxelas e Ancara, a Turquia comprometeu-se a receber os migrantes clandestinos que dali conseguissem viajar para a Europa. Em troca, exigiu o fim da obrigação de visto para a entrada de cidadãos turcos na União Europeia.

Em junho, na véspera do referendo britânico pelo “Brexit”, Erdogan admitiu a possibilidade de um referendo também na Turquia sobre o processo de adesão à União Europeia. “Vamos ser pacientes até ao final deste ano. Depois consultamos o povo. A soberania incondicional pertence ao povo, por isso temos de ouvir as pessoas”, reafirmou o Presidente Erdogan, há poucos dias.

Apesar do atrito crescente, a chefe da diplomacia europeia quer manter via do diálogo aberta com Ancara. “Se o processo de adesão da Turquia for interrompido”, Federica Mogherini acredita que” ambos os lados vão acabar como derrotados”. “A Europa perde um importante canal de diálogo e vantagem com a Turquia. A Turquia iria perder muito mais”, avisou a italiana esta semana.

A Turquia insiste que não quer aderir a qualquer custo à União Europeia e admite virar-se para a Organização de Cooperação de Xangai, uma estrutura político-económica euro-asiática liderada pela China e a Rússia. Erdogan até já deu mostras de aproximação a Vladimir Putin, um atual rival da União Europeia devido à interferência de Moscovo no conflito da Ucrânia.