Última hora

Em leitura:

Presidente Marcelo sobre Guterres: "Mais nenhum português teria conseguido este êxito"


mundo

Presidente Marcelo sobre Guterres: "Mais nenhum português teria conseguido este êxito"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, classificou esta segunda-feira, 12 de dezembro, o dia em que António Guterres prestou juramento como secretário-geral das Nações Unidas, como de “unidade nacional” e defendeu que “mais nenhum português teria conseguido” este êxito.

Em declarações aos jornalistas poucos minutos depois da cerimónia de juramento de António Guterres, na sede das Nações Unidas, em Nova Iorque, o chefe de Estado fez questão de cumprimentar em primeiro lugar o Governo, tendo ao seu lado o primeiro-ministro, António Costa.


“Felicitar todos os portugueses porque trata-se de um dia de unidade nacional, cumprimentar o primeiro-ministro, porque o Governo teve um papel essencial”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, que fez questão de estender essas felicitações aos ausentes ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e embaixador português junto das Nações Unidas, Álvaro Mendonça Moura.

O chefe de Estado estendeu ainda os cumprimentos “ao líder da oposição”, o presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, e aos partidos com assento parlamentar.

No entanto, destacou, a “peça nuclear” desta campanha que envolveu os portugueses foi o próprio António Guterres: “Mais nenhum português teria conseguido este êxito que não é um êxito nacional, é um êxito universal”. “Não escondo um toque pessoal, sendo amigo de António Guterres desde os 18 ou19 anos. Andámos em muitas lutas. Ele sempre o melhor, sempre a pensar salvar o mundo. Nunca pensámos que 46 anos depois ele estaria mesmo em posição de salvar o mundo”, afirmou.

Pelas 18:00 locais (23:00 em Lisboa), o Presidente da República oferece uma receção para cerca de 800 pessoas, na Sala de Jantar dos Delegados, também na sede da organização das Nações Unidas. Neste evento, estão agendados discursos do próprio Marcelo Rebelo de Sousa, de Ban Ki-Moon e de António Guterres.

Primeiro-ministro avisa: responsabilidade de Portugal é agora maior”

O primeiro-ministro português elogiou “o discurso brilhante” de António Guterres após a cerimónia de juramento como secretário-geral das Nações Unidas e alertou que a responsabilidade de Portugal é agora maior.

“Cria obviamente um quadro novo e exigente. A nossa responsabilidade é hoje maior, de estar à altura e acompanhar esta agenda tão exigente que temos pela frente e que o engenheiro António Guterres elegeu de forma brilhante no discurso que fez”, disse António Costa aos jornalistas, poucos minutos depois da cerimónia.


O chefe do Governo português salientou os valores elencados pelo próximo secretário-geral das Nações Unidas como a paz, a segurança, os direitos humanos, o desenvolvimento sustentável ou a igualdade de género. “Portugal agora tem o dever de estar na primeira linha do respeito por estes valores e ajudar António Guterres a cumprir este mandato no quadro das Nações Unidas”, disse.

O primeiro-ministro destacou ainda que António Guterres chegou a este alto cargo internacional “pelos seus méritos”, lembrando que nunca a escolha de um secretário-geral das Nações Unidas tinha sido tão democrática, com várias etapas de seleção. “Transcendeu-se a si próprio e tenho a certeza que ao longo deste mandato o irá fazer também. Só isso explica uma unidade nacional e uma unidade nas Nações Unidas”, disse.

António Costa aproveitou ainda a oportunidade de estar ao lado do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, para o felicitar publicamente pelo seu 68.° aniversário. O chefe de Estado respondeu com um “muito obrigado.”

MNE expressa tranquilidade da UE face a Guterres

O ministro dos Negócios Estrangeiros reafirmou, entretanto, em Bruxelas, a convicção de que o recém-empossado secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, está “completamente habilitado” para o cargo “de maior pressão que existe no mundo”.


Em declarações aos jornalistas após uma reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia, sensivelmente na mesma altura que Guterres era empossado como 9.º secretário-geral da ONU, com o juramento sobre a Carta das Nações Unidas, Augusto Santos Silva comentou também que também nesta segunda-feira os chefes de diplomacia europeus sublinharam o facto “tranquilizador” de, num contexto complexo, saberem que o novo responsável máximo da ONU tem relativamente ao conflito da Síria “uma perspetiva muito próxima da UE”.

Presidente da AR portuguesa elogia Guterres

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, desejou “os maiores sucessos” a António Guterres como secretário-geral da ONU, considerando-o “um dos melhores “ e “particularmente preparado para enfrentar a complexidade dos problemas” atuais.

“O engenheiro António Guterres é um dos melhores de todos nós, encontrando-se particularmente preparado para enfrentar, como Secretário-Geral das Nações Unidas, a complexidade dos problemas do mundo atual”, considerou Ferro Rodrigues numa mensagem à qual a agência Lusa teve acesso, na qual, em nome pessoal, mas também do parlamento português, desejou “os maiores sucessos” a António Guterres como secretário-geral das Nações Unidas.

Ferro Rodrigues foi ministro em ambos os governos liderados por António Guterres, o XIII e o XIV, tendo assumido pastas como a do Trabalho e Solidariedade e a do Equipamento Social.

Texto: Lusa (SMA/ ACC/ SB/ JMR)
Edição: Francisco Marques

mundo

Perceba a ameaça das notícias falsas e como identificá-las