This content is not available in your region

Ataque de Berlim: De pequeno ladrão a terrorista, quem era Anis Amri?

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques
Ataque de Berlim: De pequeno ladrão a terrorista, quem era Anis Amri?

<p>Anis Amri nasceu há 24 anos em Ghaza, na Tunísia. Após problemas com a justiça, associados ao roubo de carros e ao pequeno tráfico e consumo de droga, Anis aproveitou a confusão da revolução tunisina para fugir rumo à Europa.</p> <p>Cruzou o Mediterrâneo de forma clandestina e chegou a Lampedusa, no sul da Itália, em março de 2011, fingindo ser menor de idade — já tinha na altura 18 anos.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt"><p lang="in" dir="ltr">Strage di Berlino, Anis Amri a Lampedusa in una foto del 2011 <a href="https://twitter.com/hashtag/AnisAmri?src=hash">#AnisAmri</a> <a href="https://t.co/7RYIxEd7DL">https://t.co/7RYIxEd7DL</a> <a href="https://t.co/0ZLQK2kLTH">pic.twitter.com/0ZLQK2kLTH</a></p>— Tgcom24 (@MediasetTgcom24) <a href="https://twitter.com/MediasetTgcom24/status/811980276024930308">22 de dezembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>Foi preso em outubro desse mesmo ano por fogo posto num centro de acolhimento de migrantes e por agressão. Passou quatro anos em prisões italianas, onde revelou sinais de extremismo com tendências terroristas e de ser um recrutador “jihadista.”</p> <p>Foi libertado e a Itália tentou repatriá-lo, mas a Tunísia negou que Anis Amri fosse cidadão tunisino e rejeitou recebe-lo.</p> <p>Com a mãe, um irmão e três irmãs na Tunísia, Anis Amri seguiu para a Alemanha, onde chegou em julho do ano passado e pediu asilo.</p> <img src="http://www.fdesouche.com/wp-content/uploads/2016/12/C0SLwS7XcAAvynK.jpg" width="100%" height=auto> </p> <p>Viveu nos arredores de Dortmund e já este ano, em fevereiro, mudou-se para Berlim. O pedido de asilo foi rejeitado em junho e também a Alemanha tentou, sem sucesso, repatriá-lo para a Tunísia. A saga de Anis terminou esta sexta-feira, em Milão, na Itália.</p> <b>Mãe estava disposta a renegar Anis como filho</b> <p>Confrontada na Tunísia com o ataque de Berlim, Nour El Houda Hassani, a mãe de Anis Amri, dizia quinta-feira: “se for verdade que Anis que atacou o mercado de Natal, então já só tenho apenas quatro filhos. Anis já não conta.”</p> <p>A mãe exigia saber a verdade. “Se Anis é culpado, nós também o queremos castigar e nunca mais falarei dele como meu filho porque ele será um traidor para a família e para a Tunísia”, dizia Nour El Houda Hassani à Associated Press antes das notícias desta sexta-feira.</p> <p>Anis Amri foi morto na madrugada desta sexta-feira, em Milão, Itália, após uma troca de tiros com a polícia. Pouco depois surgiu um vídeo na internet, vinculado ao grupo terrorista Estado Islâmico, mostrando Anis Amri a jurar lealdade ao líder do grupo “jihadista” e a apelar à vingança dos muçulmanos contra os cruzados.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr"><a href="https://twitter.com/hashtag/GERMANY?src=hash">#GERMANY</a><a href="https://twitter.com/hashtag/UPDATE?src=hash">#UPDATE</a><a href="https://twitter.com/hashtag/BerlinAttacker?src=hash">#BerlinAttacker</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/AnisAmri?src=hash">#AnisAmri</a> Pledges Allegiance To <a href="https://twitter.com/hashtag/IslamicState?src=hash">#IslamicState</a> Leader Prior To Attack In Newly Released <span class="caps">VDO</span>. <a href="https://twitter.com/hashtag/TerrorMonitor?src=hash">#TerrorMonitor</a> <a href="https://t.co/FkN7ja9RXU">pic.twitter.com/FkN7ja9RXU</a></p>— Terrormonitor.org (@Terror_Monitor) <a href="https://twitter.com/Terror_Monitor/status/812297481455140865">23 de dezembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>O tunisino terá sido o autor material do ataque de segunda-feira à noite, com recurso a um camião, contra um mercado de Natal na Breitscheidplatz, em Berlim, matando doze pessoas e ferindo outras 48.</p>