This content is not available in your region

Israel contra ONU pelo colonatos em território palestiniano

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira
Israel contra ONU pelo colonatos em território palestiniano

<p>O Conselho de Segurança da <span class="caps">ONU</span> aprovou, esta sexta-feira, uma resolução que exige que Israel “cesse imediata e completamente” as atividades de criação de colonatos “no território palestiniano ocupado, incluindo Jerusalém Oriental”. </p> <p>A resolução foi aprovada com 14 votos a favor e a abstenção dos Estados Unidos, que em 2011 a tinha vetado. </p> <p>Israel não aceita a decisão: </p> <p>“Quem vos deu o direito de emitir tal resolução negando os nossos direitos eternos em Jerusalém? Será que este conselho teve a coragem de condenar os vossos países pela construção de casas nas vossas capitais?” – Pergunta o embaixador do país na <span class="caps">ONU</span>, Danny Danon.</p> <p>O Presidente palestiniano, Mahmud Abbas, afirmou que se trata de uma “forte bofetada” a Israel o seu embaixador foi mais comedido: </p> <p>“Depois de anos a cumprir a lei, para se ser espezinhado e seguir numa espiral descendente, a resolução de hoje pode ser vista como uma última tentativa de preservar a solução de dois Estados e reavivar o caminho para a paz”, afirmou Riyad Mansour. </p> <p>O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, já afirmou, em comunicado, que Israel não vai cumprir a resolução aprovada pelo Conselho de Segurança da <span class="caps">ONU</span>, que considera “vergonhosa” e “anti-Israel”. </p> <p>Mas a questão está longe de estar resolvida já que o presidente eleito dos <span class="caps">EUA</span>, Donald Trump, que era a favor do veto à resolução, já fez saber, pelas redes sociais, que as coisas na <span class="caps">ONU</span> vão ser diferentes a partir de 20 de janeiro. </p> <p>A resolução foi apresentada pela Venezuela, Nova Zelândia, Malásia e Senegal. O primeiro-ministro israelita, já determinou “uma série de medidas diplomáticas” contra a Nova Zelândia e o Senegal já que não tem relações com os outros países.</p>