This content is not available in your region

Rússia mais "suave" com violência doméstica

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira
Rússia mais "suave" com violência doméstica

<p>Na Rússia, a nova lei sobre a violência doméstica está a causar polémica. </p> <p>Apesar das notícias que diziam que “agora, na Rússia, é legal bater na mulher”, na verdade trata-se de uma lei mais complexa, que descriminaliza as agressões no seio da família, quando praticadas pela primeira vez e não causam danos corporais, mas não elimina a aplicação de uma multa administrativa. </p> <p>Aplica-se a agressões no seio do casal, mas também entre pais e filhos: “Quando a agressão acontece numa situação de conflito emocional, quando não há intenção de causar danos físicos à outra pessoa e não há uma perseguição, nesse caso é aceitável haver uma responsabilidade administrativa e não criminal”, disse Olga Batalina, deputada do partido Rússia Unida (de Vladimir Putin).</p> <p>A lei passou na Duma com 385 votos a favor e apenas dois contra, ambos de mulheres.</p> <p>À porta do edifício do parlemento russo, algumas manifestantes denunciavam o que dizem ser o retrocesso que a lei representa: “A Duma Estatal fez um erro catastrófico, porque mesmo antes desta lei as vítimas não faziam queixa à polícia, já antes lhes diziam que se batem é porque gostam delas e que não lavassem a roupa suja em público. Agora, a vítima é que vai ser vista como culpada”, diz a ativista política Alyona Popova.</p> <p>A violência doméstica continua a ser esquecida pelos tribunais russos, que só condenam 10% dos poucos casos que são denunciados. Entre 12.000 e 14.000 mulheres <a href="http://www.elconfidencial.com/mundo/2017-01-24/maltrato-rusia-ley-despenaliza-violencia-domestica_1321041/">morrem, todos os anos</a>, vítimas dos maridos ou companheiros.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="pt" dir="ltr">Rússia está prestes a descriminalizar violência doméstica <a href="https://t.co/wuQqRNXhTI">https://t.co/wuQqRNXhTI</a> <a href="https://t.co/XRQk38Iddi">pic.twitter.com/XRQk38Iddi</a></p>— HuffPost Brasil (@huffpostbrasil) <a href="https://twitter.com/huffpostbrasil/status/823912766234882048">January 24, 2017</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>